Juiz Roberto Carvalho Veloso

A Associação dos Juízes Federais do Brasil – Ajufe – e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) estão se organizando para “lutar” pela manutenção do auxílio-moradia pago aos magistrados. A estratégia contra seus pares que discordam é ridicularizar, desmoralizar, e deixá-los com receio de retaliações.

Outra tática é chamar a atenção par outros funcionários públicos acima do teto, como advogados e procuradores da União. Roberto Carvalho Veloso, presidente da Associação dos Juízes Federais,  falando sobre os R$ 4 mil por mês a mais, que eles recebem no contracheque, mostra queaté consegue entender, um pouco, que esse dinheiro está sendo desviado do povo:

“Estão visando apenas os vencimentos da magistratura e esquecendo os de outras carreiras. Os honorários públicos são um extrateto. É dinheiro que deveria ser direcionado aos cofres públicos. Por que não se discute isso?”

Ele falou sobre o auxílio-moradia com o  Antagonista (grifos nossos):

Há alguma preocupação com o fato de que magistrados recebem o auxílio-moradia mesmo morando em suas comarcas?

Atualmente a lei orgânica da magistratura assegura o pagamento de  auxilio moradia da forma como ele está sendo garantido na liminar. A lei orgânica da magistratura prevê da mesma maneira que está sendo paga. Não há uma ilegalidade no pagamento.

Eu me referia a uma preocupação de caráter moral…

Não estamos com essa preocupação. Não é uma pauta nossa. Não estamos com essa pauta. Estamos pensando um pouco mais a frente. Precisamos resolver essa questão remuneratória.