Orlando Lovecchio Filho.

 

Não deixe de ler Reinaldo Azevedo sobre o assunto: Quando a Comissão da Verdade, de Dilma, vai pôr frente a frente Orlando Lovecchio e os terroristas acusados de arrancar a sua perna? Ou essa acareação não interessa à Comissão da Mentira Oficial?

Do site do Antagonista:

Lovecchio não tem direito a pensão especial. Recebe do governo R$ 517 mensais. O autor do atentado terrorista, Diógenes Carvalho Oliveira, por sua vez, recebe aposentadoria especial de R$ 1.627 mensais, e o Estado ainda vai lhe pagar R$ 400 mil por pensões atrasadas.

Lovecchio entrou com uma ação na Justiça Federal, por causa dessa diferença.

Com a redemocratização, Lovecchio Filho pleiteou uma indenização junto à Comissão de Anistia, porque foi perseguido pelo regime militar como suspeito inicial do atentado. A Comissão de Anistia lhe exigiu uma prova de militância de esquerda.

Ela também concluiu que o atentado terrorista havia sido “fatalidade”, “acidente” –Lovecchio Filho, ora vejam só, “embrenhou-se por vias erradas” ao postular o pedido via Comissão.

[…]. É como responsabilizar a vítima de uma “bala perdida” por estar no lugar errado na hora errada.

Lovecchio Filho entrou com uma ação na Justiça Federal e, em seguida, no TRF-3, mas os juízes de ambos os tribunais decidiram contra ele, alegando prescrição. Lovecchio Filho não entendeu nada, porque o STJ considerou que atos de exceção praticados durante o regime militar eram imprescritíveis.

Neste exato momento, o seu último recurso — embargos de declaração — está no TRF-3. O juiz federal Paulo Sarno não acolheu o pedido de Lovecchio Filho, mas o julgamento foi interrompido por pedido de vista do desembargador Fábio Prieto.

É um país do avesso.

Diógenes Carvalho Oliveira

 

Fonte:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG82408-6009,00-O+FILTRO.html