Processos ambientais de Santa Catarina têm acordos conciliatórios assinados nesta quinta-feira (04/12/2020)

Postado em 1 de janeiro de 1970

Nesta quinta-feira (3/12), foram assinados os acordos conciliatórios de dois processos ambientais em Santa Catarina. Um deles, em Ilhota, na região de Itapema (SC) envolve uma edificação de hotel em terras de marinha e de preservação permanente; no outro caso, houve a construção de lotes em área de dunas e restinga, nas regiões de Balneário Arroio do Silva e Araranguá (SC). O primeiro foi repassado em setembro deste ano ao Sistema de Conciliação da Justiça Federal da 4ª Região (Sistcon) e o segundo em maio.
 
Ação civil pública de Itapema
 
A ação civil pública (ACP) originou-se em 2002 devido a aterramento de manguezal, às margens do Rio Ilhota, que desemboca na Praia do Mato de Camboriú, em Itapema. A área de degradação ambiental coincide com o local de construção do Caseca Marine Hotel, da empresa Pégasus Caseca Marine e Construção Naval Ltda.
 
A edificação foi erguida em terras de marinha e em terreno de preservação permanente sem autorização prévia dos órgãos ambientais e de estudo de impacto ambiental. No entanto, a construção era de conhecimento e autorizada pelo município de Itapema, em área não edificandi em posse da União.
 
Remessa à conciliação
 
Tendo em vista a possibilidade de acordo entre as partes, em setembro deste ano a ACP foi repassada ao Sistcon pela 4ª Turma do TRF4. Assim, as tratativas foram coordenadas pelo juiz auxiliar da Conciliação Marcelo Cardozo da Silva.
 
Participaram do acordo o Ministério Público Federal (MPF), a Pégasus Construção e Incorporação Ltda, a IVC Itapema 1 Empreendimento Imobiliário Ltda e a Paraná Realty Empreendimentos Imobiliários Ltda, a União (Advocacia-Geral da União), o Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA/SC), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), o Município de Itapema, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Fundação Ambiental Área Costeira de Itapema (FAACI).
 
Dentre o que ficou acordado, destaca-se o Projeto de Recuperação de Área Degradada (Prad), o qual define a retirada total da construção, a recuperação integral da área degradada, incluindo a revegetação das margens do Rio da Mata de Camboriú, a retirada de espécies invasoras e a recuperação daquelas nativas, além do pagamento de indenização em conta judicial no valor de R$ 120.000,00 em cinco dias úteis após a homologação do acordo.
 
O projeto e o que é proposto nele envolve a Pégasus Construção e Incorporação Ltda, a IVC Itapema 1 Empreendimento Imobiliário Ltda e a Paraná Realty Empreendimentos Imobiliários Ltda.
 
Ação civil pública de Balneário Arroio do Silva e Araranguá

 
A ACP em questão surgiu devido à degradação ambiental em áreas de preservação permanente. O impacto na flora local deu-se em razão de dois loteamentos construídos em área de restinga litorânea e integrante da Zona Costeira. A construção foi feita sem licença ambiental e sem autorização dos municípios de Balneário Arroio do Silva e Araranguá.
 
Acordo conciliatório
 
Tendo em vista a possibilidade de acordo, o processo foi repassado ao Sistcon em maio deste ano e teve as tratativas coordenadas pelo juiz auxiliar do sistema.
 
Participam do acordo o MPF, a Administradora de Imóveis Razão Ltda, a Transcontinental Empreendimentos Imobiliários e Administração de Créditos Ltda, a Weber Participações Ltda., a União (Advocacia-Geral da União), o IMA/SC,  o Município de Balneário Arroio do Silva e o Município de Araranguá.
 
Dessa forma, a Administradora de Imóveis Razão Ltda comprometeu-se em realizar e custear a adequação ambiental do Loteamento Paiquerê e a elaborar um Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) através da contratação de empresa com profissionais habilitados. Neste EIA deve ser incluída a implantação e a operação de sistema de coleta e de tratamento de esgoto sanitário.
 
Já a Transcontinental Empreendimentos Imobiliários e Administração de Créditos Ltda e a Weber Participações Ltda. comprometem-se em realizar e custear a adequação ambiental do Loteamento Morro dos Conventos, bem como elaborar um EIA. Assim, como no outro loteamento, é inclusa a implantação e a operação de sistema de coleta e de tratamento de esgoto sanitário.
 
 Cumprindo os requisitos de adequação ambiental, as rés ficaram suspensas de pagamentos.
 

 


(Stockphotos)

Notícias do Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Assessoria de Comunicação Social - TRF4.
Data de Publicação: 1 de janeiro de 1970.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *