TRF4 nega pedido de José Efromovich para que voltasse a gerenciar Grupo Synergy (18/12/2020)

Postado em 1 de janeiro de 1970

Ao analisar agravo regimental à decisão liminar que indeferiu um Habeas Corpus (HC) apresentado por José Efromovich, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou o pedido para que ele voltasse a gerenciar as empresas das quais é sócio. José Efromovich é vice-presidente do Grupo Synergy, do qual o irmão, Gérman, é presidente. Os dois são réus no âmbito da Operação Lava Jato em uma ação penal que apura corrupção e lavagem de dinheiro em contratos firmados entre a Transpetro – subsidiária de transporte da Petrobras – e o Estaleiro Eisa, que faz parte do conglomerado.

Por unanimidade, os desembargadores federais entenderam que existem “sólidos vínculos patrimoniais, financeiros e empresariais dos pacientes (os irmãos Efromovich) no exterior, que autorizam a fixação de medidas cautelares a fim de assegurar a aplicação da lei penal e para coibir movimentações financeiras que, em tese, representariam novos atos de lavagem de dinheiro”. Essa compreensão, já expressa em HC julgado pela Turma em 11/11, deve ser analisada em recurso especial apresentado pela defesa e enviado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). A decisão ocorreu durante sessão telepresencial desta quarta-feira (16/12).

Manutenção das medidas cautelares

O relator dos recursos da Lava Jato no TRF4, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, indeferiu liminarmente o HC sob o argumento de que a solicitação reiterava o que já havia sido julgado na sessão de 11/11 deste ano, que determinou aos irmãos Efromovich a necessidade de manutenção das seguintes medidas cautelares: proibição de movimentar contas bancárias no exterior, de mudança de endereço residencial sem autorização judicial e de sair do Brasil. Eles também estão proibidos de alterar a gestão societária das empresas das quais são donos e de contratar com o setor público.

Agravo regimental

Com a negativa da liminar, a defesa de José Efromovich alegou, então, que a reversão da medida que determinou a proibição da gestão societária das empresas pelos irmãos seria indispensável para a sobrevivência do Grupo Synergy. A argumentação levou em conta a crise econômica vivida pelo conglomerado, e citou como exemplo mais conhecido a decretação de falência da companhia aérea Avianca.

Segunda negativa

Ao analisar o agravo regimental, Gebran Neto entendeu que “não prospera a busca de reexame dos fundamentos. Tampouco há diferenciação entre um e outro writ (o Habeas Corpus julgado no dia 11/11 e o apreciado em 16/12). Na melhor das hipóteses, haveria acréscimo de fundamentos. Contudo, nem isso se constata, pois, em ambos os casos, a defesa aprofunda o debate a respeito da suposta fragilidade da acusação, dos depoimentos dos colaboradores e da prova coligida aos autos, que levaram tanto à decretação da prisão preventiva quanto ao recebimento da denúncia”. A Turma acompanhou integralmente a compreensão do relator, votando pela manutenção das medidas cautelares até julgamento do recurso especial pelo STJ.

Denúncia

Em agosto deste ano, a 13ª Vara Federal de Curitiba determinou a prisão preventiva aos irmãos Efromovich e, em 11 de novembro, a 8ª Turma decidiu pela fixação das medidas cautelares, incluindo a negativa de gerenciar o Grupo Synergy. Os dois foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) na 72ª fase da Operação Lava Jato porque, segundo as investigações, teriam pagado US$ 3,9 milhões em propina ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado para garantir a assinatura contratos para a construção de oito navios. Os procuradores afirmam que o esquema, que se desenvolveu entre 2008 e 2014,  causou prejuízo de cerca de R$ 650 milhões à estatal.

Segundo a denúncia, o estaleiro EISA sequer estaria apto para ser convidado a participar do processo licitatório em razão de sua incapacidade de construção dos navios. Ainda conforme as investigações, o Grupo Synergy teria lavado dinheiro por meio de uma empresa financeira do Panamá. A holding, com base no Rio de Janeiro e em Bogotá (Colômbia), congrega subsidiárias nas áreas da aviação, produção de petróleo e gás, geração de energia, construção e área médica.


(Stockphotos)

Notícias

Fonte do artigo:

Notícias do Tribunal Regional Federal da 4ª Região

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Assessoria de Comunicação Social - TRF4.
Data de Publicação: 1 de janeiro de 1970.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *