O atual maior símbolo de liberdade usado para controlar os indivíduos

Postado em 9 de abril de 2016

A grande revolução do século XX foi a internet, instrumento que nos permitiu evoluir nossa sociedade, expandir nossos horizontes e, no Brasil, permitiu que a população se envolve-se e pressionasse o governo provocando um processo de impeachment.

Acontece que este instrumento está começando a ser usado no Brasil para fins de desenvolvimento social. Por isso, querem restringir a nossa liberdade limitando o nosso uso a quase zero: para usar mais, pague mais.

O que ocorre é que neste momento em que os smartphones tomaram o mundo, em que os dados resolvem todas as necessidades diárias, como o envio de mensagens, vídeos, fotos e até áudio, não há mais a necessidade de pagar pelo telefone. Essa queda na receita das operadoras deve ser paga por alguém. Assim, decidiu-se democraticamente, isto é, entre os presidentes das companhias e o governo que o cidadão brasileiro poderia pagar.

Qualquer cidadão brasileiro sabe que é uma batalha inglória brigar com operadoras de telefonia pelo deserviço prestado (sinal fraco, oscilante, fiação e equipamentos velhos, cobrança indevida, demora no atendimento, queda de sinal). Contudo, precisamos entender que não é inglória.

Dia 27 de abril haverá um “reclamaço” contra a Anatel dos consumidores de internet sobre as decisões das operadoras de limitar a franquia dos planos de internet.

A COJAE conclama seus membros a participar desta luta da sociedade pela democracia porque  este é o único meio de que dispomos para preservar nossos direitos e deveres. Nossos valores devem ser absolutos, não podemos permitir precedentes.
Mobilizemos nossos conhecidos para que surta o impacto desejado, pois as operadoras forçarão para que esta mudança passe a vigorar.
Antes consumidor pagava um valor fixo por mês, e podia navegar à vontade com uma velocidade pré-determinada. Agora, a proposta das operadoras é estabelecer um limite para isso.

Já começou a surtir efeito:

limitar a internet

Assessoria de imprensa.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *