Uti possidetis, ita possideatis

Postado em 25 de maio de 2016

José Maria da Silva Paranhos Júnior, ou Barão do Rio Branco, (1845—1912) é o homem cujo rosto está estampado na moeda de cinquenta centavos, ao lado do mapa do Brasil que remete às ondas no mar e com setas apontadas para fora do país, alusão à consolidação dos limites territoriais. Também estampava a cédula de 1.000 cruzeiros, referida pelo povo por “barão”.

 

50

 

cedula-de-1000-cruzeiros

À época em que as fronteiras da República do Brasil eram discutidas pela nossa diplomacia não existia um organismo internacional como a ONU – a Liga das Nações só seria criada em 1919, anos depois da morte de Rio Branco. Desse modo, conflitos entre países podiam ser resolvidos pela arbitragem.
O princípio do uti possidetis vem do direito romano e considera que onde houver ocupação humana deve ser respeitada a soberania deste povo. E foi este o argumento utilizado pelo barão para tanto.
O brilhantismo do patrono da diplomacia brasileira é celebrado por suas habilidades negociadoras evitando, assim, o derramamento de sangue.

MP do Amazonas pede prisão preventiva do prefeito de Manaus

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) pediu a prisão preventiva do prefeito de Manaus, David Almeida, e da secretária municipal de Saúde, Shadia Fraxe, por um suposto esquema de “burla à fila de prioridades na vacinação contra a Covid-19” na capital do estado. A...

Para 56%, trabalho da Câmara é ruim ou péssimo, mostra pesquisa

Às vésperas da eleição que escolherá o sucessor de Rodrigo Maia (DEM-RJ) no comando da Câmara dos Deputados, o trabalho da Casa é tido como ruim ou péssimo para 56,4% dos brasileiros. É o que mostra uma pesquisa do Instituto Orbis, realizada entre os dias 25 e 26 de...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *