Lei Anti-Aborto.

Postado em 14 de março de 2017

O site deste cartoon aparenta ser esquerdista. Aqui, o autor debocha de quem não compartilha de sua opinião. Não é portanto, inteligente. Nem respeitoso. Nem democrático.

Apesar de o artigo informar sobre a lei nos Estados Unidos, os argumentos dizem respeito à pessoa humana. Por isso são universais.

Os avanços científicos recentes, a opinião popular e os padrões morais universais concordam: o aborto não deve permitir que os batimentos do coração de uma criança sejam interrompidos.
 
Em 1973, o Supremo Tribunal dos EUA estabeleceu um padrão de “viabilidade” para o feto, para determinar quando o Estado pode ter interesse em considerar o bem-estar do feto no que diz respeito à regulamentação do aborto. O Tribunal decidiu que os Estados só podem considerar o bem-estar potencial do feto no ponto de “viabilidade”, que definiram como a capacidade de sobreviver fora do útero, que foi de 28 semanas de gestação.
 
O campo emergente da medicina fetal permite aos médicos diagnosticarem anormalidades e doenças fetais no útero, e tratá-las lá, aumentando as chances das crianças de nascerem e viver saudáveis.
 
Como resultado destes avanços médicos, o feto é cada vez mais tratado como independente de sua mãe e, portanto, como um ser humano viável. O fato de que o feto é um paciente tratado separadamente da mãe – aponta para a realidade de que ele, ou ela, é um ser humano vivo separado que deve ser valorizado como uma pessoa com posição legal.
 
De acordo com o Dr. Yuval Gielchinsky, um médico sênior treinado em biologia molecular no Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital Hadassah em Israel, tais tratamentos começaram a partir de oito semanas após a concepção, logo após dispositivos médicos conseguirem começar a detectar o batimento cardiaco do bebê. Agora, em alguns casos,  usando o dispositivo Doppler de ecogramas, os batimentos cardíacos fetais podem ser detectados desde quatro semanas e meia após a concepção. Alguns especialistas médicos indicam que o batimento cardíaco pode ser detectado a partir de cinco semanas após o último período menstrual (cerca de vinte dias após a concepção – na altura em que muitas mulheres descobrem que estão grávidas) com um ultra-som transvaginal.
 
A Lei de Proteção do Coração
 
Para conformar as leis com estes novos avanços científicos, um congressistanorte-americano quer “a Lei de Proteção do Coração” para “proibir o aborto nos casos em que um batimento cardíaco fetal for detectável.” Afinal, se há um batimento cardíaco, há vida. E como uma apoiante, Elizabeth Anderson, corretamente entendeu, “Se a vida termina quando o coração pára de bater, então a vida deve começar quando o coração começa a bater.” Nas palavras de Janet Folger Porter, uma das proponentes da lei: O batimento cardíaco é a medida médica da vida. É a razão pela qual você nunca esteve no funeral de alguém com um batimento cardíaco. “
 
A Constituição e a Questão de Quando a Vida Começa
 
 O autor James D. Robenalt lembra que a Justiça observou que houve uma época em que “a Corte não tinha a experiência ou o conhecimento para decidir quando a vida começa”. No entanto, subsequentemente, ela afirmou que a vida humana não começa antes da “viabilidade” e definiu viabilidade como aquele estágio do desenvolvimento fetal quando a criança é “potencialmente capaz de viver (ou seja, sobreviver) fora do ventre materno, embora com ajuda artificial”. É em resposta a essa opinião que há controvérsia sobre qual estágio de desenvolvimento permite que um bebê prematuro viva fora do útero. Mas isso é um padrão adequado?
 
Enquanto “a Suprema Corte postulou que há “justificativas lógicas e biológicas” para escolher a viabilidade [fora do útero] como ponto crítico”, os discordantes acreditam que os governos estaduais “poderiam ter interesse em proteger os nascituros melhor servidos por um marcador mais consistente e certo [ou seja, a detecção de um batimento cardíaco fetal] do que a viabilidade. “
 
 O conceito de viabilidade está claramente sujeito a avanços científicos contínuos no campo da medicina fetal “, porque os aperfeiçoamentos tecnológicos empurram, continuamente, o ponto de viabilidade fetal para cada vez mais próximo do início da gravidez.
A legislação proposta está igualmente em harmonia com um conjunto de valores morais e éticos universais estabelecidos por Deus e aplicáveis a toda a humanidade. Esses valores morais compartilhados compreendem  o alicerce das crenças compartilhadas pelo judaísmo, o cristianismo e o islamismo . Esses valores universais – acessíveis tanto pela razão como pela revelação – tornam a proteção de toda a vida humana suprema, seja dentro ou fora do útero.
 
Quando combinamos o fundamento moral encontrado nas leis dos noahides com os recentes avanços na medicina fetal, o caminho a seguir é claro: para recriar uma cultura de vida, devemos apoiar a ação do Congresso para proibir o aborto nos casos em que um batimento cardíaco fetal é detectável.
 
Arthur Goldberg é Co-Diretor do Instituto Judaico para Conscientização Global e ex-Co-Diretor de JONAH, Inc. O JIFGA patrocina um site de crowd-funding exclusivo para ajudar pessoas comprometidas com os valores bíblicos. Ele é o autor deLuz no Armário: Torá, Homossexualismo e e Poder de Mudança.
Fonte:
http://www.thepublicdiscourse.com/2017/03/18833/

Para Haver Líderes Exige-se Liderados.

  Por Michael I. Knowles, no Daily Wire. Ninguém deprecia o presidente Trump melhor do que o presidente Trump - basta perguntar a ele. E, no entanto, apesar de toda a fanfarronice e jactância, o homem que não conseguia ver um prédio sem querer...

Juiz faz Campanha para Bandido.

Do site do O Antagonista. A Folha noticiou que o juiz do trabalho Átila Roesler e sua mulher, Gabriela Goergen de Oliveira, foram detidos por alguns minutos na Praça do Comércio, em Lisboa, porque Gabriela fazia fotos com um cartaz no qual estava escrito “Lula Livre”....

PCB e PSOL Querem Censurar Policial que Matou Bandido

do O Antagonista: O PCB e o PSOL queriam que a policial Katia da Silva Sastre, candidata a deputada federal em São Paulo, pelo PR, fosse impedida de exibir na propaganda eleitoral o vídeo que a mostra matando um assaltante na porta da escola da sua filha....

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. Aborto: assista, leia, e decida-se | COJAE - […] Artigo que também pode interessá-lo: Lei Anti-Aborto […]

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *