Patrão Explorador ou Estado Ladrão?

Postado em 28 de março de 2017

Refutação aleatória de irracionalidades comunistas.

– O patrão deseja ganhar o máximo.
– O trabalhador deseja ganhar o máximo. (

1º – O salário do trabalhador será aumentado consoante a concorrência e a procura que existir por aquilo que ele tem a oferecer, ou seja, a concorrência e a procura por aquilo que ele faz. A competição “entre patrões” fará naturalmente aumentar o seu salário, caso ele o mereça, ou seja, caso aquilo que ele produza corresponda a um salário maior do que aquele que ele aufere (gerando assim interesse de concorrentes na sua contratação).

Por esse motivo o Cristiano Ronaldo ganha centenas de milhões, sem precisar de leis trabalhistas. E ainda assim o seu patrão que lhe paga milhões quer lucrar da mesma forma, mas como tem concorrentes é forçado a pagar uma grande quantia. Muitas vezes uma quantia superior ao que ganha o próprio patrão do clube.

2º – Colocar dinheiro nos bolsos do Estado, através por exemplo de impostos sobre o seu salário, não o vai fazer ganhar mais. Pelo contrário vai confiscar parte dos seus rendimentos e confiscar parte do lucro do seu patrão.

“Ah mas Estado como é que eu vou ter a certeza que você vai usar o dinheiro que me confiscou para me ajudar?”

“Oh criatura mas eu algum dia iria fazer uma sacanagem dessas consigo? Só para lucrar ou me perpetuar no poder? Afinal de contas você pode sempre votar em mim de quatro em quatro anos, esteja tranquilo você manda em mim e me controla completamente”

 

Respondendo a pergunta que dá título ao texto, nenhum dos dois. Se você tiver qualidades, será disputado por empregadores, escolherá com quem quer trabalhar, e terá condições de negociar condições que lhe satisfaçam.

Resistência à PEC da Imunidade uniu PT e Novo na Câmara

Apesar da articulação do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata sobre a imunidade parlamentar foi retirada da pauta do plenário, na tarde desta sexta-feira, 26, e enviada a uma comissão especial....

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *