Sindicatos, um Mal Desnecessário

Postado em 27 de julho de 2017

 

Victor Pergoraro, no ILISP, explica a origem dos sindicatos. Para ler seu artigo completo, clique aqui.

1) Sindicatos não precisam oferecer um bom serviço para que os trabalhadoras tenham interesse em se associar, pois não existem alternativas;
2) Como não existe concorrência, logo não existe incentivo para melhoria dos serviços dos sindicatos. Não há risco de perder associados para outra entidade;
3) Ocorre o aparelhamento político dos sindicatos, que financiados e protegidos, passam a atuar como um mero braço do governo.

[Dois exemplos de sindicalismo:]

Há casos extremos como o do homem que foi presidente do mesmo sindicato por 40 anos que, após sua morte, passou a ser controlado pelo seu filho. Além disso, diversas pessoas da mesma família recebiam salários que variavam de 10 mil a 60 mil reais sem sequer comparecer regularmente ao trabalho.

Não há opinião melhor para ilustrar mais este abuso estatal que a de Jair Meneguelli, fundador da Central Única dos Trabalhadores – CUT, que disse “ser dirigente sindical no Brasil virou uma profissão das boas”.

2- Imposto Sindical

[Um dia de trabalho é descontado do trabalhador em folha de pagamento, quer ele seja sindicalizado ou não.]

Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, a arrecadação do Imposto Sindical em 2015 chegou ao montante de R$ 3.403.883.140,55. Para ter uma ideia, a arrecadação de 2007, apenas 8 anos antes, teve o total de R$ 1.249.965.401,33.

 

 

Publicação de André Meerholz no CONJUR

O Advogado André Meerholz,  do Núcleo de Direito Administrativo do Escritório, publicou, no dia 07/05/2021, artigo no site Consultor Jurídico, com o tema “O diálogo competitivo na nova Lei de Licitações“. Confira o artigo aqui. The post Publicação de André Meerholz no...

O diálogo competitivo na nova Lei de Licitações

*Artigo publicado no site Consultor Jurídico, no dia  07 de maio de 2021. Em 1º de abril foi publicada a Lei 14.133/2021, que estabelece novas diretrizes para licitações e contratos administrativos. A nova lei preserva inúmeros institutos e instrumentos que, sobretudo...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *