Desmatamento na Amazônia ‘poderia ser pior ainda’, diz Mourão

Postado em 2 de dezembro de 2020

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, diz que o desmatamento na Amazônia poderia ter sido pior. Segundo dados do INPE, mais de 11 mil quilômetros quadrados de floresta foram derrubados entre agosto de 2019 e julho de 2020, o que representa um aumento de 9,5% em relação ao período anterior. Mourão, que é presidente do Conselho da Amazônia Legal, afirma que a expectativa era de que o índice crescesse em torno de 20%. Ele reconhece, no entanto, que apesar de os dados serem ‘menos piores’ do que o esperado, ainda há muito a melhorar. “Na realidade, o que nós estamos fazendo está dentro do programa. Agora, tem coisas que eu não consegui resolver ainda, regularização fundiária eu não consegui avançar. É minha responsabilidade, tenho que dar um jeito nisso aí. Não tivemos sucesso, vamos dizer o seguinte: foi menos pior, poderia ser pior ainda.”

De acordo com o vice-presidente, há uma tendência de queda nos índices de desmatamento na Amazônia. A expectativa, por exemplo, é que no mês passado a área derrubada tenha sido 50% menor do que em novembro de 2019. O objetivo é alcançar um patamar onde só haja o que Mourão chamou de ‘desmatamento dentro da legislação’, que é aquele que equivalha a, no máximo, 20% da área de cada propriedade da região amazônica. Para isso, no entanto, é preciso resolver a questão do desmantelamento dos órgãos de fiscalização. “Isso aí é algo que está sendo discutido pelo Ministério, é responsabilidade do meio ambiente, tem que discutir com a economia. A economia está vivendo as dificuldades relativas a questão fiscal, então vamos ver como pode resolver. Uma solução paliativa é a contratação de gente temporária”, afirmou. Mourão também comentou, nesta terça, a primeira reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Argentina, Alberto Fernandéz, realizada por videoconferência na segunda-feira. Para o vice-presidente, o encontro transpôs uma linha e contribuiu para o início de um diálogo que ele considera fundamental na luta para garantir a aprovação do acordo do Mercosul com a União Europeia.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado

Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 2 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *