Nova lei de falências promete agilizar processos, avaliam advogados

Postado em 2 de dezembro de 2020

A nova Lei de Falências incentiva a negociação e promete mais segurança à recuperação judicial. O advogado Euclides Ribeiro destaca o direito do produtor rural. “O que era uma discussão, que demorou 15 anos para se aprimorar, finalmente virou lei e agora na lei de recuperação nova o produtor rural é tratado como empresário, como sempre deveria ter sido, e pode se valer da recuperação judicial”, avalia. Euclides Ribeiro reforça a chamada de devedores e credores, no poder judiciário, para conciliação. O advogado Fernando Bilotti Ferreira analisa avanços esperados pelo mercado. “Que se referem aos institutos da consolidação substancial e consolidação processual. Estes institutos são muito relevantes para grupos econômicos que socorrem de um processo de recuperação judicial. Ele prevê mecanismos já bastante claros sobre a forma que a consolidação deve ocorrer e também tem mecanismos s bastante interessantes de proteção dos ativos das empresas desse grupo e dos próprios credores, caso algumas dessas empresas não tenham um plano aprovado.”

A lei é considerada essencial para o funcionamento da economia. O advogado Rafael Serrano coloca aspectos tributários. “Ele trata dos débitos tributários existentes antes do pedido de recuperação judicial. Nesse ponto, a gente pode destacar a existência de um novo tipo de parcelamento, que pode ser feito em até 120 meses. Esse parcelamento também permite que o contribuinte utilize como pagamento o saldo de prejuízo fiscal, caso ele tenha”, explica. O projeto aprovado pelo Congresso Nacional depende da sanção do presidente Jair Bolsonaro. O texto estende de 180 para 360 dias a possibilidade de assembleia e apresentação do plano de recuperação, com a expectativa de gerar soluções para credores, acionistas e empregados.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 2 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *