Pazuello diz que doses da vacina de Oxford e da AstraZeneca chegam ao Brasil em janeiro

Postado em 2 de dezembro de 2020

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuelloafirmou que o Brasil receberá cerca de 15 milhões de doses da vacina contra Covid-19 produzida pela farmacêutica britânica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford entre janeiro e fevereiro de 2021. O acordo do governo federal e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê a chegada de 100 milhões de doses do imunizante ao país e a transferência total de tecnologia até junho. Com isso, o Brasil poderá produzir cerca de 110 a 160 milhões de doses da vacina de maneira autônoma no segundo semestre de 2021. Pazuello esteve presente na Comissão Mista da Covid-19 do Congresso Nacional na manhã desta quarta-feira, 2, para explicar a validade dos testes de Covid-19, mas aproveitou para explicar a compra de imunizantes, acordos e o plano de vacinação da pasta.

A vacina de Oxford, no entanto, está sendo questionado quanto à sua proteção desde do dia 23 de novembro, data em que os resultados do testes clínicos foram divulgados. As dúvidas foram levantadas depois que a empresa admitiu ter cometido um erro crucial na dose da vacina recebida por alguns participantes dos seus testes. A eficácia variou dependendo do grupo de participantes. Os que receberam meia dose e depois uma dose completa demonstraram eficácia de 90%. No entanto, os que receberam duas doses completas, que eram a maioria dos voluntários, mostraram uma eficácia menor, de apenas 62%. Outro agravante é que, além de ser menor, o grupo que demonstrou maior eficácia não contemplava pessoas com mais de 55 anos, o que coloca em dúvida como a vacina reagiria em idosos. A AstraZeneca já informou que novos testes serão realizados para validar “o que parece ser uma maior eficácia”.

Governo pode adquirir vacina da Pfizer/BioNTech

O ministro Pazuello também comentou sobre a adesão do Brasil ao Covax Facility, que permite que o país tenha, entre suas opções, pelo menos mais dez vacinas. A iniciativa internacional visa acelerar a produção de vacinas e permitir o acesso equitativo aos imunizantes contra o coronavírus. “O Brasil aderiu a esse consórcio desde o desenvolvimento das vacinas, já com opção de compra, recebimento de 42 milhões de doses, que poderá ser de uma das 10 fabricantes, inclusive a própria AstraZeneca ou a Pfizer, por exemplo. Estão no consórcio”, afirmou o ministro.

Ministério da Saúde indicou, na terça-feira, 1º, no entanto, que a vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech não deve ser aplicada no Brasil, por exigir condições especiais de armazenamento, como temperaturas de -70ºC. O imunizante é um dos mais avançados e os resultados pontam eficácia de 95%, sete dias após a administração da segunda dose, conforme anunciado pela farmacêutica. “Ficou muito óbvio que são muito poucas as fabricantes que têm a quantidade e cronograma de entrega efetivo para nosso País. Quando a gente chega no fim das negociações e vai para cronograma de entrega, fabricação, os números são pífios. Números em grande quantidade, se reduz a uma, duas, três ideias”, disse o ministro. Pazuello também criticou o que chamou de “campanha publicitária” muito forte de uma produtora de vacina, sem especificar qual. “Na hora que vai efetivar a compra, vai escolher, não tem bem aquilo que tu quer, o preço não é bem aquele, e a qualidade não é bem aquela. Quando a gente aperta, as opções diminuem bastante”, explicou.

Pazuello disse que a posição do ministério é da não obrigatoriedade da vacina. Para que a maior parte da população seja vacina, ele garantiu que a pasta irá trabalhar para ter disponibilidade do imunizante em todas as pontas e campanhas de conscientização. Apesar do posicionamento, o ministério depende da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a obrigatoriedade ou não da vacina contra Covid-19. O ministro também elogiou publicamente o presidente Jair Bolsonaro. “Cito aqui a preocupação do presidente Bolsonaro em buscar, junto com este ministério, a cura para esta pandemia”, declarou.

Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 2 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *