‘Ministros estão rasgando a Constituição’, diz Wálter Maierovitch

Postado em 5 de dezembro de 2020

Nesta sexta-feira, 4, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a analisar, no plenário virtual, a ação que questiona a possibilidade de reeleição dos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados. Até o momento, votaram os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes, Nunes Marques e Marco Aurélio Mello. Os quatro primeiros entenderam que há possibilidade de o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) e o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) concorram à reeleição do Senado e da Câmara, respectivamente. Os mandatos terminam em fevereiro de 2021. Para Wálter Maierovitch, os ministros estão “rasgando a Constituição” porque a vedação à recondução tem “clareza solar”. O jurista avalia, ainda, que o STF tem se tornado uma “Corte política”, quando, em tese, deveria ser técnica.

“No Brasil, temos uma Corte que se diz técnica, não política. Mas o noticiário deu conta de encontros dos ministros do STF com Maia e Alcolumbre para tratar sobre a eleição nas Casas Legislativas. Agora, neste julgamento, vemos o aval à reeleição. O STF virou uma Corte política. A vedação à recondução tem clareza solar. Não resta dúvida sobre a impossibilidade. Não dá para existir outra interpretação, nem mesmo considerando os contorcionismos do ministro relator, Gilmar Mendes. Até o momento, o que se vê são ministros espantosamente interpretando a Constituição de maneira inaceitável. O STF deve ser o guardião da Constituição, mas, quando vira um Tribunal político, o Direito é posto em dúvida”, disse Maierovitch à Jovem Pan.

O jurista reforçou a tese de que o Supremo Tribunal Federal é influenciado por questões políticas ao comentar o voto do ministro Nunes Marques, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para a vaga do ministro Celso de Mello, que se aposentou em novembro deste ano. Marques seguiu o voto do ministro Gilmar Mendes, relator, mas apresentou uma ressalva. De acordo com seu entendimento, o Supremo deve reconhecer a possibilidade de reeleição, mas a regra não vale para parlamentares que já estão no segundo mandato ou que venham a se reeleger. Na prática, isto favorece apenas Alcolumbre. “Dados os fatos políticos, qual é o interesse de Bolsonaro? Manter Alcolumbre, com quem o Planalto tem boa interlocução, e barrar os planos de Maia. Qual foi o sentido do voto do ministro Kássio? Exatamente este. Por isso, vejo o julgamento, de uma forma geral, com muita preocupação”.

Até a noite desta sexta-feira, apenas o ministro Marco Aurélio Mello votou contra a possibilidade de reeleição. “O vocábulo tem sentido único: o de inviabilizar que aquele que exerceu o mandato, aquele que esteve na Mesa Diretora, concorra ao subsequente. A interpretação é conducente à conclusão de ser possível, a quem já foi presidente de uma das casas, voltar ao cargo, desde que em mandato intercalado”, diz em seu voto. O decano da Corte também criticou o que chamou de “conveniências reinantes” do Congresso. “É inaceitável que as Casas Legislativas disponham conforme as conveniências reinantes, cada qual adotando um critério, ao bel-prazer, à luz de interesses momentâneos. As balizas do § 4º do artigo 57 devem ser observadas de modo uniforme considerada a Federação”.

Política – Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 5 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 5 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

AGU recorre de decisão que determinou a realização do Censo 2021

AGU recorre de decisão que determinou a realização do Censo 2021

A Advocacia-Geral de União (AGU) recorreu de uma liminar do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF) que ordenou a realização do Censo 2021. O julgamento no plenário da Corte deverá começar nesta sexta-feira, 7. A defesa do governo pede que o Supremo...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *