Voto de Nunes Marques sobre reeleição de Alcolumbre atende a interesses de Bolsonaro, diz Miguel Reale Jr

Postado em 7 de dezembro de 2020

A posição do ministro Kássio Nunes Marques sobre a possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, é considerada ‘espantosa’, avalia o jurista e ex-ministro da Justiça, Miguel Reale Júnior. Nunes Marques votou favorável ao tema ressaltando, no entanto, que a recondução é possível apenas uma única vez, independentemente se dentro da mesma legislatura ou não, desde que o parlamentar esteja em seu segundo mandato, o que favorece apenas o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre. Para Miguel Reale, a decisão do ministro “atendia aos interesses de Jair Bolsonaro‘. “É espantoso que os ministros do Supremo tenham feito essa interpretação, mais espantosa ainda a interpretação feita pelo recente ministro Kássio, que votou isoladamente, e não sei como ele consegue explicar, que ele aceita a reeleição pelo Alcolumbre e não aceita a do Maia. Isso atendia aos interesses do Jair Bolsonaro,” comenta o jurista.

Segundo Reale Jr, a Constituição é ‘clara’ e proíbe a possibilidade de recondução à presidência das Casas em uma mesma legislatura para “evitar que utilize o cargo para coptar votos”. “Eles podem usar e á fácil usar a presidência para coptação de votos para a reeleição, oferecendo viagens, participação em comissões e tarefas relevantes do Legislativo. Portanto, se evita que utilize o cargo para coptar votos. O colégio eleitoral na nova legislativa é completamente diverso, em média, 60% dos deputados não se reelegem, o que justifica que possa ter reeleição em diferentes legislaturas”, explica. O jurista avalia que a decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF), que barrou em sessão neste domingo, 6, a possibilidade de reeelição pelos presidentes Rodrigo Maia  e Davi Alcolumbre, foi correta e a a única possível, considerando a Constituição. “É incrível que [alguns ministros] tenham estabelecido essa interpretação, não cabe interpretação. Esse ativismo judicial de querer fazer uma interpretação desconforme da Constituição, criar uma nova categoria, é inacreditável porque estava decidindo em função do quadro poilítico que nós temos, da ausência absoluta de lideranças.” O ex-minsitro pontua que por falta de nomes fortes para ocupar os cargos nas Casas Legislativas, alguns ministros optaram pelo voto favorável à reeleição, o que, para Reale Jr, não se justifica.

“[Eles pensam que] é melhor deixar os presidentes da Câmara e do Senado do que uma abertura e ter um presidente que não sabemos quem é e que pode seguir na linha desvairada do presidente [Jair Bolsonaro]. Mas isso não se justifica, fazer agente político. Querer rasgar Constituição para fazer um procedimento de ordem político.” Para reduzir esse chamado “ativismo político”, Miguel Reale Jr defende que o Supremo acabe com as decisões monocráticas e estabeleça o princípio da colegialidade, citando a decisão do ministro Marco Aurélio, que possibilitou a soltura do traficante do PCC André do Rap como um exemplo das consequências pelas decisões individualizadas. Neste domingo, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por 7 a 4, pela impossibilidade da reeleição de Rodrigo Maia à presidência da Câmara dos Deputados e, por 6 a 4, também  de forma contrária à recondução de Davi Alcolumbre no Senado Federal. Marco Aurélio Mello, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Roberto Barroso, Edson Fachin e Luiz Fux contra a reeleição em ambas as Casas, enquanto Gilmar Mendes (relator), Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski foram favoráveis.

Política – Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *