Em reunião tensa, Doria e Pazuello discutem sobre vacina 

Postado em 8 de dezembro de 2020

Na manhã desta terça-feira, 8, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, se reuniu virtualmente com governadores para tratar sobre a vacinação contra a Covid-19 e ouviu cobranças sobre a estratégia do Ministério da Saúde para a imunização da população brasileira. Em um momento de tensão do encontro, o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), questionou Pazuello se a pasta pretendia adquirir a CoronaVac, imunizante produzido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. “O seu ministério vai adquirir a CoronaVac, sendo aprovada pela Anvisa? Sim ou não, ministro?”, questionou o tucano. Pazuello rebateu dizendo que a compra será feita “se houver demanda e preço”.

Doria também questionou por que o governo federal assinou medidas provisórias (MP) para comprar os imunizantes produzidos pela Oxford-AstraZeneca e as do consórcio Covax Facility se, a exemplo da CoronaVac, elas também não foram aprovadas pela Anvisa. “O que difere, ministro, a condição e a sua gestão como ministro de privilegiar duas vacinas em detrimento de outra vacina? É uma razão de ordem ideológica, política ou de falta de interesse de disponibilizar mais vacinas? Por que excluir a CoronaVac, já o procedimento que ela está adotando é exatamente igual ao do consórcio Covax e da AstraZeneca?”, indagou.

“Já lhe respondi isso. Já respondi isso a todos os governadores. Quando a vacina do Butantan, que não é do estado de São Paulo, tá, governador? Não sei como o senhor fala tanto como se fosse do estado, ela é do Butantan. O Butantan é o maior fabricante de vacina do nosso país e é respeitado por isso. O Butantan, quando concluir o seu trabalho e tiver sua vacina registrada, nós avaliaremos a demanda e, se houver demanda e houver preço, nós vamos comprar”, disse Pazuello. “Volto a colocar para o senhor que o registro é obrigatório e havendo demanda, havendo preço, todas as vacinas, todas as produções serão alvo de nossa compra”, acrescentou o ministro da Saúde.

Em outro momento da reunião, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), questionou Pazuello se o Ministério da Saúde iria honrar a carta de intenção de compra de 46 milhões de doses da CoronaVac. O ministro aproveitou a resposta para provocar João Doria, dizendo que “é justificável” a tentativa de acelerar o processo de vacinação, mas destacando que não se pode “abrir mão da eficácia, segurança, responsabilidade”.  “Quando nós tivermos tudo registrado e comprovado, vamos avaliar a demanda daquele elemento para adquirir. Vamos levar isso ao Palácio, a todos os órgãos, e vamos adquirir. É muito importante que se sigam todos os passos. Estamos observando a tentativa de acelerar, o que é muito justo. É justificável, até. Mas, quando se fala de saúde, não podemos abrir mão de eficácia, segurança, responsabilidade. Porque nós responderemos pelos nossos atos. Ela tem que estar totalmente calculada e calibrada.”

Política – Jovem Pan
Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 8 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *