Pazuello fala em vanguarda e promete 24,7 milhões de doses de vacina até janeiro

Postado em 17 de dezembro de 2020

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira, 17, que prevê receber 93,4 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 até o fim do primeiro trimestre de 2021. Deste total, 24,7 milhões seriam entregues já em janeiro. Para este montante, estão sendo considerados os imunizantes desenvolvidos pela AstraZeneca, Pfizer e pelo Instituto Butantan. A declaração foi dada em sessão remota do Senado para debater o plano nacional de imunização. “Estamos falando, em janeiro, de 500 mil doses da Pfizer, 9 milhões de doses do Butantan e 15 milhões a AstraZeneca. A data exata é o mês de janeiro. Pode ser 18, 20 de janeiro. Mas se nós pudermos compreender que o processo vai nos dar a data, já nos dá um novo desenho. Isso tudo dependendo do registro da Anvisa”, disse o ministro.

Em sua fala, Pazuello disse que, além dos três laboratórios, o Ministério da Saúde tem negociação com o consórcio Covas Facility, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Mesmo sem uma data definida para o início da imunização dos brasileiros, o ministro afirmou que o país está em “uma vanguarda”. “Temos dez fabricantes no consórcio e, no momento em que sair o registro de uma das 10, nós podemos optar a compra por uma delas e vamos para 42 milhões de doses entregues. Todas essas possibilidades e números, estamos em uma vanguarda, não estamos sendo atropelados, estamos em uma vanguarda”, disse.

A declaração ocorre um dia após o Ministério da Saúde apresentar o plano nacional de imunização, em cerimônia realizada no Palácio do Planalto. Também nesta quinta-feira, 17, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória (MP) que abre crédito de R$ 20 bilhões que serão destinados à compra de vacinas contra a Covid-19. O documento foi anunciado pelo governo na última semana e foi assinado durante a posse do novo ministro do Turismo, Gilson Machado, que substitui Marcelo Álvaro Antônio, demitido após um bate-boca com o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo (Segov), em um grupo de WhatsApp dos auxiliares presidenciais.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 17 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *