Bolsonaro diz que STF entrou em uma bola dividida desnecessária ao votar a favor da obrigatoriedade da vacinação

Postado em 18 de dezembro de 2020

Em live realizada na noite desta quinta-feira, 17, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o Supremo Tribunal Federal por votar a favor da obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19. Por 10 votos a 1, a Corte liberou a União, os estados, o Distrito Federal e as cidades brasileiras de criarem leis que apliquem sanções a pessoas que se recusarem a tomar o imunizante. “O Supremo não mandou impor medidas restritivas, o Supremo falou que o presidente da República, os governadores e os prefeitos podem impor. Da minha parte, zero. Agora, todos os governadores vão impor medidas restritivas? Eu não acredito. Eu não quero botar a mão no fogo por ninguém. Eu acho difícil, não acredito”, disse Bolsonaro. “Com todo respeito ao Supremo Tribunal Federal, entrou numa bola dividida. Não precisava disso”, exclamou o presidente.

O chefe de Estado  chamou de “inócua” a medida do STF porque, segundo ele, “não vai chegar de uma hora para outra, nem vacina para todo o mundo tem”. Bolsonaro voltou a dizer que não tomará nenhum imunizante. “Imagina que você pega uma bula e está escrito lá: o fabricante não se responsabiliza por nenhum efeito colateral. Está na bula. Vão obrigar você a tomar a vacina? Se houver um efeito colateral, como parece estar havendo no Reino Unido, choque anafilático, quem vai se responsabilizar? É quem obrigou você a tomar a vacina. Não pode passar por cima da Anvisa. É uma irresponsabilidade tratar uma questão que trata de vidas, para salvar ou para ter efeito colateral, tratar com açodamento, com correria. Uma irresponsabilidade.” Não está comprovado que as vacinas distribuídas no reino Unido causam o efeito citado pelo presidente.

Também houve críticas severas a setores da direita. Bolsonaro se mostrou contrariado com as ofensas que recebeu pelo voto de Kassio Nunes Marques, seu indicado ao STF, em uma ação que beneficiou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – além da decisão dele sobre a obrigatoriedade da vacina. “Não foi maioria, não foi 11 a 0. Qual foi o ministro que destoou. Foi o Kassio. Não é direita burra, é direita idiota. Entendeu, imbecil? Aí, a dois dias de uma eleição, vem uma fake news dessa e você diz: ‘Não voto mais em ninguém, vou anular meu voto’. Fizeram isso na Argentina. Entrou o pessoal da Cristina Kirchner. Que é da turma da Dilma [Rousseff], do Evo Morales, do Fidel Castro”, disse o ex-filiado ao PSL.

O presidente declarou que votaria do mesmo jeito que Nunes Marques. Nesta quinta, o ministro do STF seguiu com ressalvas o relator Ricardo Lewandowski. No entendimento de Marques, a vacinação compulsória é de competência apenas da União. Estados e municípios estariam fora. Além disso, o magistrado piauiense recebeu elogios por contribuir com a decisão do Supremo que impede que uma pessoa tenha duas uniões estáveis ao mesmo tempo no Brasil. “Está lá, no velório, todo o mundo chorando e aparecem três ou quatro mulheres, que falam: ‘Eu transava com este cara que está morto aí e vou ter direito à partilha dos bens e pensão’. E aparece um homem também. ‘Eu também transava com ele. Se tivesse o Celso de Mello, seria reconhecido o direito da amante. Seria aberta a porta da poligamia”.

Veja a live de Bolsonaro transmitida durante a edição desta quinta-feira, 17, de “Os Pingos nos Is”:

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 18 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *