Disputa por recursos com pasta da Economia deve continuar em 2021, afirma Marinho

Postado em 23 de dezembro de 2020

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, afirma com naturalidade que a disputa por recursos da União irá prevalecer em 2021. Após um ano de intensas polêmicas envolvendo o tema, o ministro, acusado em alguns momentos de ser fura teto, afirmou que fez apenas o “seu papel” para garantir que as obras não fossem paralisadas em 2020. “Nunca defendemos trabalhar o orçamento além do que determina a lei. O que fizemos foi o nosso papel. Hoje, nós temos uma carteira ativa de mais de 26 mil obras espalhadas por mais de cinco mil municípios de todo o Brasil. Estou cumprindo o meu papel, junto com o Ministério da Economia, para que haja disponibilidade de um fluxo e um cronograma físico financeiro para que as obras não sejam paralisadas”, disse, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

Marinho afirmou ainda que a disputa por recursos deve se manter nos anos seguintes. Segundo ele, a situação é natural de qualquer governo. “O que não é natural é que essa disputa, absolutamente saudável e que ocorre em qualquer governo, seja exteriorizada de uma forma que deteriora a imagem do governo. O ministro [Paulo Guedes] fez o seu papel, ele é o ministro da Fazenda, é responsável pelo equilíbrio fiscal, pela manutenção da salubridade das contas públicas. Então nós temos, naturalmente, um embate e ele vai continuar em 2021, vai continuar em 2022, inclusive com outros personagens”, disse. Rogério Marinho ressaltou ainda que causaria estranhamento se a situação fosse contrária, com um ministro da Economia “propenso a gastar”.

Ao ser questionado sobre o repasse de recursos, durante a pandemia, para o Ministério do Desenvolvimento Regional, Marinho afirmou que a pasta não recebeu qualquer valor recurso dos R$ 620 bilhões em créditos extraordinários. “Foram investidos na manutenção dos empregos, mais de 10 milhões de contratos que foram mantidos e o governo ajudou a pagar o salário dos trabalhadores; foram R$ 300 bilhões na ajuda do crédito extraordinário para pessoas com fragilidades do ponto de vista econômico; mais de R$ 100 bilhões repassados para Estados e municípios para resolver a diminuição das verbas e combater questões da pandemia. Foram recursos repassados para o Ministério da Cidadania, Ministério da Saúde e Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.”

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 23 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *