Organização criminosa chefiada por Crivella arrecadou R$ 50 milhões em propina, diz MPRJ

Postado em 23 de dezembro de 2020

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) detalhou durante coletiva de imprensa nesta terça-feira, 22, a investigação que culminou na prisão do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) nas primeiras horas desta manhã. A prisão aconteceu em operação conjunta entre a Polícia Civil e o MPRJ. Além de Crivella, o empresário Rafael Alves e o delegado Fernando Moraes também foram presos. O ex-senador Eduardo Lopes, alvo da operação, não foi localizado em casa. A investigação aponta que o grupo aliciava empresários para participar do esquema de corrupção voltados para arrecadação de vantagens indevidas mediante promessas de contrapartida feitas pelo prefeito. De acordo com o MP, o esquema arrecadou cerca de R$ 50 milhões de reais em propina. A ação desta terça é um desdobramento da operação Hades. Além das prisões, foram emitidos mandados de busca e apreensão e uma determinação judicial de sequestro de bens e valores. No total, 26 pessoas foram denunciadas. Para o Ministério Público, o prefeito Marcelo Crivella era o chefe da organização criminosa.

Segundo a investigação, o esquema básico se baseava na facilitação de “restos a pagar” a empresas, seguida da exigência de um percentual desse valor. “Empresas que não tinham nenhuma prioridade na lista de restos a pagar, acabaram sendo privilegiadas em detrimento de empresas prioritárias. Após a facilitação, os pagamentos eram feitos a partir de notas fiscais de empresas de fachada”, explica Ribeiro Martins. De acordo, com o MP, Rafael Alves era responsável pela ponte entre as empresas e também liberava os pagamento após reuniões. O esquema se espalhou por todas as secretárias da prefeitura do município. O Crivella foi considerado o chefe da operação por ter dado poderes para que Alves pudesse atuar. O MPRJ aponta que conversas mostram uma relação próxima entre o prefeito e o empresário. Os investigadores ainda não têm informações sobre como o valor foi dividido entre as partes.

Na coletiva, o Ministério Público foi questionado sobre o pedido de prisão preventiva ter sido feito 9 dias antes do fim do mandato de Crivella. “Aos 45 do segundo tempo, vieram novos elementos de prova que para nós fomos fundamentais para o oferecimento da denúncia. Por tanto, a escolha da data não depende da gente, a investigação tem vida própria”, relata o subprocurador Ricardo Ribeiro Martins, agora procurador-geral de Justiça em exercício. Segundo o procurador, inicialmente os pedidos foram segurados em virtude das eleições municipais. Em seguida, o MPRJ decidiu dar continuidade aos mandados de busca e apreensão e de prisão antes do fim de 2020. “Não tem sentido deixarmos isso na mão de um colega de primeiro grau, sendo que temos todo esse trabalho pronto. Se a gente está com tudo pronto, por que não oferecer?”, indaga Ribeiro Martins, que afirma que a investigação tem mais de 2 terabytes de material e que não seria “ético” enviar o conteúdo para um procurador no primeiro grau analisar sozinho.

“Não teve nenhum cunho político, nós não temos nenhum viés político. Para nós, não importa quem é quem”, assegura o procurador. Sobre a prisão preventiva, o MPRJ afirma que o grupo continuaria atuando por meio do processo de lavagem de dinheiro mesmo com a saída de Crivella da prefeitura. “Os processos de lavagem de dinheiro não param, eles prosseguem. A ocultação do dinheiro, a dissimulação do patrimônio, elas prossegue. Não tem mais como facilitar o pagamento de restos a pagar, que era uma das fontes de propina. Mas essa organização criminosa prosseguiu mesmo após dois mandados de busca e apreensão. Nem assim as atividades cessaram”, explicou o procurador.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 23 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *