Auxílio emergencial, Casa Verde Amarela e reforma tributária: os feitos do governo Bolsonaro em 2020

Postado em 29 de dezembro de 2020

Em seu segundo ano de mandato, o presidente Jair Bolsonaro teve a missão de governar o país em meio à pandemia do novo coronavírus, que já vitimou mais de 180 mil brasileiros. Apesar das crises causadas pelas demissões de ministros e contestações em relação à forma como conduziu o governo durante a pandemia, Bolsonaro viu a avaliação de seu governo atingir o maior patamar desde o início de sua gestão, em agosto, segundo pesquisa Datafolha. O índice de aprovação foi impulsionado pelo pagamento do auxílio emergencial, benefício mensal de R$ 600 idealizado e aprovado pelo Congresso ainda em março. Nove meses depois, no início de dezembro, o Senado Federal aprovou a medida provisória (MP) da Casa Verde e Amarela, programa que substituirá o “Minha Casa, Minha Vida” e que tem o objetivo de garantir moradia para famílias de baixa renda. Ao longo de 2020, o governo Bolsonaro também entregou a primeira etapa da reforma tributária, uma das principais bandeiras do ministro da Economia, Paulo Guedes. O texto, enviado ao Congresso Nacional, trata da unificação de PIS e Cofins, tributos federais. Meses antes, em abril, Bolsonaro e Guedes anunciaram um pacote de aproximadamente R$ 200 bilhões em medidas emergenciais de amparo a trabalhadores e empresas, além da transferência de recursos para estados e municípios, na esteira da crise causada pelo novo coronavírus.

Principais feitos do governo federal em 2020:

Pacote financeiro de socorro na pandemia:

No dia 1º de abril, o presidente Jair Bolsonaro anunciou, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, um pacote de cerca de R$ 200 bilhões em medidas para socorrer trabalhadores e empresas e ajudar estados e municípios no enfrentamento aos efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Foram transferidos R$ 16 bilhões para o Fundo de Participação dos Estados e Municípios. A previsão do governo federal era amparar aproximadamente 54 milhões de brasileiros.

Inauguração do Eixo Norte da transposição do rio São Francisco:

Em junho, o presidente Jair Bolsonaro viajou a Penaforte, no Ceará, para a cerimônia de inauguração do Eixo Norte da transposição do rio São Francisco. As primeiras obras foram iniciadas ainda em 2007 e a expectativa do governo Bolsonaro é que o projeto esteja concluído em 2021. De acordo com o Ministério de Desenvolvimento Regional, foram investidos R$ 1,3 bilhão em intervenções de trechos que precisavam de reparos.

Sanção da Lei Aldir Blanc:

Ainda em junho, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei Aldir Blanc, que autorizou o repasse de R$ 3 bilhões a estados, municípios e Distrito Federal com o objetivo de socorrer o setor cultural. O benefício de R$ 600, destinado a artistas, produtores, técnicos e trabalhadores que atuam na cadeia de produção do setor cultural, foi resultado da pressão da classe artística, um dos segmentos mais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Reforma Tributária:

O ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentou ao Congresso, no dia 21 de julho, a primeira etapa da reforma tributária. Esta proposta trata apenas da unificação de PIS e Cofins, dois tributos federais sobre o consumo. Temas como carga tributária e mudanças no Imposto de Renda (IR), por exemplo, ficarão para outra fase.

Prorrogação do auxílio emergencial:

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, no dia 1º de setembro, a prorrogação do auxílio emergencial por mais quatro parcelas. Houve, porém, uma redução do valor do benefício de R$ 600 para R$ 300. O projeto de lei que instituiu o pagamento da renda básica emergencial foi idealizado e aprovado pelo Congresso no início da pandemia do novo coronavírus no Brasil – o relatório do deputado federal Marcelo Aro (PP-MG) previa R$ 500, enquanto o governo pretendia pagar apenas R$ 200.

Casa Verde e Amarela:

Na terça-feira, 8 de dezembro, o Senado aprovou a medida provisória (MP) da Casa Verde e Amarela. Antes, o texto já havia sido apreciado pela Câmara dos Deputados. A MP, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, tem o objetivo de garantir moradia para famílias residentes em áreas urbanas, com renda mensal de até R$ 7 mil, e famílias residentes em áreas rurais, com renda anual de até R$ 84 mil. O texto aprovado autoriza a União a destinar terrenos de sua propriedade a participantes privados do programa sem autorização legislativa, mas com licitação. O programa substitui o “Minha Casa, Minha Vida”, criado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lançamento do Plano Nacional de Imunização:

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o Ministério da Saúde lançou, na última quarta-feira, 16, o Plano Nacional de Imunização, com diretrizes do governo federal para a vacinação dos brasileiros a partir de 2021. No dia seguinte, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória (MP) que abre crédito de R$ 20 bilhões para a compra de imunizantes. A expectativa do ministro Eduardo Pazuello é receber 24,7 milhões de doses de vacinas já em janeiro.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 29 de dezembro de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *