‘Na melhor hipótese, vacinação começa em 20 de janeiro’, diz Pazuello

Postado em 8 de janeiro de 2021

Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, afirmou, na tarde desta quinta-feira, 7 que, “na melhor das hipóteses”, a vacinação no Brasil contra a Covid-19 começará no dia 20 de janeiro. O comandante da pasta também apresentou outras duas alternativas. Segundo o general, “na hipótese média”, a imunização dos brasileiros terá início entre os dias 20 de janeiro e 10 de fevereiro, e, em último caso, de 10 de fevereiro até “meados de março”. Ainda segundo Pazuello, a expectativa é de cerca de 30 milhões de doses por mês, considerando as produções da Fiocruz e do Instituto Butantan. “Quando iniciaremos a vacinação no Brasil? Vou dar aos senhores três períodos: primeiro, até o dia 20 de janeiro, na melhor hipótese. Contamos com as vacinas do Instituto Butantan e com as da AstraZeneca. Na hipótese média, de 20 de janeiro a 10 de fevereiro. Na hipóteses mais alongada: 10 de fevereiro, até final de fevereiro, meados de março, que seria nos casos em que os registros ou a produção tenham percalços”, disse o ministro.

Pazuello também reiterou a informação de que, até o final de 2021, o Brasil terá 354 milhões de doses à disposição, sendo 254 milhões desenvolvidas pela Fiocruz e outras 100 milhões pelo Instituto Butantan. A quantidade já havia sido divulgada em seu pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, na noite da quarta-feira, 6. O Ministério da Saúde também afirmou na coletiva de imprensa que assinou nesta quinta-feira, 7, o contrato com o Butantan. Também nesta quinta, o governo do estado de São Paulo divulgou que a eficácia da CoronaVac, desenvolvida pelo instituto em parceria com o laboratório chinês Sinovac, é de 78% para casos leves e de 100% na prevenção de casos graves, moderados ou que necessitassem de internação hospitalar – o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), pretende iniciar a vacinação no estado no dia 25 de janeiro, data de aniversário da cidade da capital paulista.

Negociações com farmacêuticas

Além de estipular datas para o início da vacinação, Pazuello também deu detalhes sobre a produção e a aquisição de imunizantes contra a Covid-19. O primeiro imunizante citado pelo ministro foi o desenvolvido pela Universidade de Oxford em parceria com a Astrazeneca. Pazuello explicou que, na época em que o acordo com a farmacêutica foi fechado, aquela era a melhor oportunidade disponível. “Há seis meses, optamos pela melhor vacina à época e melhor negócio à época, que era entrar em um negócio bilateral com a Astrazeneca em parceria com a Oxford”, explicou o ministro. Ele também falou sobre a Coronavac. Segundo Pazuello, um contrato foi firmado para garantir a entrega de 46 milhões de doses do imunizante até abril e outras 54 milhões até o final de 2021. Ele também assegurou que a distribuição não será restrita ao estado de São Paulo. “Toda a produção do Butantan será, a partir deste momento do contrato, incorporada ao plano nacional de imunização. [As vacinas] Serão distribuídas de forma equitativa e proporcional a todos os estados, da mesma forma como todas as vacinas da Astrazeneca”, explicou o ministro. O governo paulista nega que o Ministério da Saúde tenha formalizado qualquer acordo com o Instituto Butantan.

Em um tom mais direto, Pazuello falou sobre as negociações com a Pfizer, dizendo que a farmacêutica impõe cláusulas que dificultam possíveis acordos de aquisição dos imunizantes. Segundo o ministro, são três cláusulas, entre elas a de isenção completa de responsabilidades por possíveis efeitos colaterais causados pela vacina. Outro fator citado pelo ministro que dificulta a aquisição do imunizante foi a temperatura de -80ºC necessária para o seu armazenamento. “Queremos que ela [Pfizer] nos dê o tratamento compatível com o nosso país, que ela amenize essas cláusulas. Não podemos assinar desta forma”, afirmou. Além disso, o comandante da pasta da Saúde disse que a Pfizer iria oferecer ao Brasil 500 mil doses da vacina em janeiro e outras 500 mil em fevereiro. Nos meses seguintes, seriam disponibilizadas 2 milhões de doses mensais até junho. O ministro também afirmou que terá uma nova reunião com a farmacêutica amanhã, 8, para voltar a negociar a aquisição de doses da vacina.

As vacinas da Moderna e da Janssen também foram citadas por Pazuello. Sobre a primeira, que já está em uso emergencial em alguns países, o ministro disse que o país tem interesse na tecnologia da vacina, mas que a previsão de entrega não dificulta o negócio. “Quanto e quando entrega? Outubro de 2021, com a previsão de chegar até o fim do ano em 30 milhões de doses. É isso aí, pessoal. Ou fabrica no Brasil ou não tem vacina”, disparou. Por fim, ao falar da vacina da Janssen, o ministro disse que estão garantidas 3 milhões de doses no segundo trimestre do ano e que, até o fim de 2021, poderão ser fornecidas até 10 milhões de doses do imunizante.

Doria confirma compra da Coronavac

Através de um vídeo enviado à imprensa, o governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou que o Ministério da Saúde enviou ao Instituto Butantan um contrato assinado garantindo a compra de doses da Coronavac. No vídeo, além de confirmar a aquisição, Doria comemora os resultados divulgados nesta quarta dizendo que cerca de 11 milhões de doses do imunizantes já estão em solo brasileiro e que a vacina será distribuída a todos os brasileiros. “Estamos muito feliz com a notícia da eficácia da vacina do Butantan. Nós temos quase 11 milhões de doses da vacina em solo brasileiro, aqui em São Paulo. É a vacina do brasil. A vacina que vai atender os brasileiros de São Paulo e os brasileiros de todo o país. De fato, o ministério da Saúde encaminhou agora, às 19h, o contrato assinado eletronicamente para aquisição das doses da vacina do Butantan, o que sempre desejamos”, diz Doria. Segundo o Instituto Butantan, o contrato foi assinado às 16h35 de hoje e prevê a possibilidade de aquisição de 54 milhões de doses além das 46 milhões que já foram adquiridas

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 8 de janeiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

AGU recorre de decisão que determinou a realização do Censo 2021

AGU recorre de decisão que determinou a realização do Censo 2021

A Advocacia-Geral de União (AGU) recorreu de uma liminar do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF) que ordenou a realização do Censo 2021. O julgamento no plenário da Corte deverá começar nesta sexta-feira, 7. A defesa do governo pede que o Supremo...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *