Maia diz que é inevitável instalação de CPI para investigar atuação do governo federal na pandemia

Postado em 18 de janeiro de 2021

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, na manhã desta segunda-feira, 18, em coletiva de imprensa, que será “inevitável” uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação do governo federal no combate à pandemia do novo coronavírus. Maia também criticou a gestão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, à frente da pasta. “Não tem planejamento no governo federal. O presidente [Jair Bolsonaro] coloca dessa forma. Ele coloca a narrativa de que o Supremo tirou o poder do governo federal. Não foi nada disso. O Supremo deixou claro que a coordenação do SUS é do governo federal. Eu sei de uma indústria farmacêutica que mandou e-mail por várias semanas para vender vacina e o e-mail não foi respondido. Não se acreditava na importância da vacina. O que me estranha é que quando o ministro Pazuello foi escolhido, acho que ele é bom militar, o motivo que o levou ao ministério era ser bom de logística, mas ele se provou um fracasso até o momento. Se fosse bom de logística, teria organizado e planejado, acompanhando os indicadores de crescimento do problema em Manaus e em outras regiões, de forma a não faltar insumos para o trabalho dos profissionais de saúde”, disse o presidente da Câmara.

Maia também afirmou que a eventual CPI “vai chegar aos responsáveis” pela crise sanitária no país. “É inevitável que a gente tenha, pelo menos, uma CPI da Câmara ou do Congresso a partir de um momento mais na frente. E essa investigação vai chegar aos responsáveis pelo não atendimento de um e-mail da indústria farmacêutica querendo vender vacinas para o Brasil, a falta de organização, a falta de logística e da entrega de equipamentos e insumos para estados e municípios. A gestão da saúde nos parece uma gestão que, para o que veio, não parece que tenha atingido os objetivos que levaram à sua escolha”, disse. Questionado sobre a possibilidade de pautar um pedido de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, em razão da gestão da pandemia, Maia afirmou que a prioridade do Parlamento deve ser atuar para mitigar a crise sanitária no estado do Amazonas e elaborar um cronograma de vacinação.

Eleição para a presidência da Câmara 

No início da coletiva, Rodrigo Maia afirmou que a votação para a presidência da Câmara será presencial, no dia 1º de fevereiro. A Mesa Diretora se reuniu para deliberar sobre o assunto nesta segunda-feira, 18. Maia defendia a votação remota no dia 2 de fevereiro, mas foi voto vencido pela maioria dos integrantes da Mesa. O presidente da Câmara estimou que, no dia da votação, entre parlamentares, profissionais da imprensa e funcionários da Câmara, cerca de três mil pessoas circularão pela Casa. Por isso, defendeu o voto remoto e afirmou que esta seria a melhor alternativa, considerando o crescimento no número de novos casos e de internações por Covid-19.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 18 de janeiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *