Governadores discutem reserva de segunda dose a pessoas já imunizadas

Postado em 20 de janeiro de 2021

No mesmo dia em que os últimos estados começaram a vacinar sua população contra a Covid-19, os governadores passaram a discutir a reserva da segunda dose da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, para garantir que as primeiras pessoas imunizadas não fiquem sem a segunda parte do imunizante. Em mensagem enviada aos demais governadores, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), recomendou que os secretários municipais de saúde e prefeitos sejam orientados a priorizar quem já foi imunizado. O motivo é simples: há o temor de que vacinação seja interrompida em razão da escassez de insumos para a fabricação dos imunizantes. O Brasil dispõe de 6 milhões de doses da CoronaVac – a primeira brasileira foi imunizada pelo governo do estado de São Paulo no domingo, 17.

“Acho importante orientação para postos de vacinação, secretários (as) municipais de saúde e prefeitos (as) para reservar uma vacina para cada vacina aplicada. Pois somente após a liberação deste lote de vacina teremos segurança para que mais pessoas sejam atendidas. Estou cobrando o cronograma firme para novas entregas”, diz Wellington Dias na mensagem. O governador do Piauí é coordenador do Fórum Nacional dos Governadores na temática das vacinas. Dias também fez uma segunda recomendação aos governadores: a instalação de um observatório pós-vacina, destinado ao acompanhamento de eventuais efeitos colaterais em pessoas imunizadas.

Como a Jovem Pan mostrou, o Brasil depende da importação do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para fabricar as vacinas desenvolvidas pelo Instituto Butantan e pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca, que será produzido pela Fiocruz. O governo do presidente Jair Bolsonaro negocia a importação de 2 milhões de doses adquiridas do laboratório indiano Serum, que manufatura a fórmula desenvolvida pela AstraZeneca, mas o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 18, que “não há resposta” até o momento. Diante do impasse, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) irá se reunir, na quarta-feira, 20, com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, para tratar da liberação dos insumos – o envio depende do aval do governo chinês.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 20 de janeiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 20 de janeiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *