Erundina diz que impeachment e volta do auxílio emergencial são prioridades da Câmara

Postado em 22 de janeiro de 2021

A deputada federal Luiza Erundina (PSOL) defende que a aprovação do processo de impeachment do presidente Jair Bolsonaro, assim como o retorno do auxílio emergencial, são as prioridades da Câmara dos Deputados. Em entrevista ao programa Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta sexta-feira, 22, a parlamentar afirmou que é “impossível retomar a normalidade no país com o atual governo”. Embora sejam as principais propostas defendidas pelo PSOL, Erundina, que é candidata do partido à presidência da Câmara, negou que a legenda tenha condicionado os temas para apoio a candidaturas, pensando em um segundo turno da eleição. “Não condicionamos a nossa posição. Pautamos como pontos principais o impeachment do presidente, nem preciso dizer o porquê, a própria sociedade está se manifestando. Com Bolsonaro é impossível retomar o desenvolvimento do país, os empregos do país, os mais de 14 milhões de desempregados. Não é possível fazer com que o país volte à normalidade em sua condição social, política e ética. Portanto, um dos pontos principais do nosso programa é o afastamento do Bolsonaro”, afirmou a deputada.

Erundina defendeu, no entanto, que tão importante quanto o impeachment é a retomada do auxílio emergencial para a população desempregada e em situação de maior vulnerabilidade social. Segundo a parlamentar, o retorno da ajuda financeira também representa a retomada de “algum nível de crescimento econômico do país”. “É preciso retomar imediatamente com esses dois objetivos: atender necessidades dos mais vulneráveis, ter a possibilidade de ativar um pouco a economia e rever esse quadro de estagnação econômica, de retrocesso e de total falta de crescimento”, disse, defendendo também que o processo de vacinação contra a Covid-19 é “a única condição de reverter essa tragédia sanitária que se abateu sobre o Brasil”. “Não condicionamos nossas posições. É isso que defendemos como principal da nossa proposta. Vamos até o final do primeiro turno. No segundo turno vamos ver quem fica e quem é o menos comprometido com a política genocida e de retrocesso social, político e ético do governo.”

A parlamentar negou que seja discutida a possibilidade de retirada da sua candidatura para apoio do PSOL a Baleia Rossi. Segundo ela, a decisão de inserir a legenda na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados partiu da maioria da bancada, sendo a decisão final da Executiva Nacional. Segundo Erundina, ninguém do partido irá votar em Arthur Lira, candidato apoiado pelo presidente. “Se são dois turnos temos nossa candidatura para dialogar e no segundo turno é uma outra eleição, com certeza ninguém do PSOL votará no candidato mais apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro. Não vamos tirar a menos que a maioria da direção partidária e da bancada. Essa hipótese não está colocada, vamos até o final do primeiro turno e no segundo vamos votar no menos ruim, o menos comprometido com esse governo bolsonarista, irresponsável, incompetente e que tem levado as piores situações para a vida dos brasileiros.”

Ainda sobre o impeachment, a deputada federal avaliou como lamentável a postura do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de não colocar a discussão em pauta com alegações de que o Bolsonaro não teria cometido crime de responsabilidade. A parlamentar citou atitudes do mandatário e disse que a situação é “bem diferente do que aconteceu com Dilma Rousseff, que foi enxotada sem ter ficado configurado nos termos da Constituição o crime de responsabilidade que ela teria cometido”. “O impeachment é de fato uma questão de fundamental importância, a sociedade vai cobrar e vai pressionar. Não vejo que o presidente consiga se manter alegando que Bolsonaro não teria cometido crime de responsabilidade. Ele vem propondo o fechamento do Congresso, isso não é crime? Fechamento do Supremo, isso não é crime? Fazendo campanha pública com ataques dele, defendendo retrocessos contra a democracia. Lamentavelmente, não espero que esses candidatos [à presidência da Câmara] tenham essa coragem, determinação e responsabilidade de cumprir a prerrogativa da presidência da Câmara que é de, quando a democracia e o Estado Democrático estão sendo afrontados, submeter uma decisão dessa ordem”, finalizou.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 22 de janeiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *