Pacheco pode deixar MPs caducarem como ‘sinalização pedagógia’ ao Congresso

Postado em 22 de fevereiro de 2021

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, assumiu o compromisso de resolver uma questão que há muito tempo incomoda os colegas que o elegeram: o prazo que acaba sobrando para a Casa analisar Medidas Provisórias. Segundo ele, há três alternativas para resolver o problema, sendo que a primeira é aprovar uma PEC mudando os prazos para análise e vigência de MPs, tarefa complicada diante das dificuldades impostas pela pandemia e da quantidade de matérias consideradas mais importantes paradas no Congresso Nacional. A segunda é tentar fazer com que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, se comprometa em aprovar as Medidas Provisórias mais rapidamente, o que dependeria de um acordo entre todos os líderes da Casa. Enquanto isso, a terceira proposta, como explica Pacheco, é dar uma ‘sinalização pedagógica’. “Terceiro caminho, que seria o mais desagradável, seria se nenhum caminho for tomado dos dois primeiros, infelizmente, deixar de apreciar medida provisória e deixar caducar. Aí vai ser algo pedagógico para que consiga então o primeiro ou o segundo caminho concretizado.”

As Medidas Provisórias são editadas pelo presidente da república e precisam ser aprovadas por uma comissão mista e pelos plenários da Câmara e do Senado em um prazo de até 120 dias – se não perde a validade. Normalmente, as duas primeiras etapas – a comissão e o plenário da Câmara – acabam tomando grande parte desse prazo, e o texto muitas vezes chega ao Senado na iminência de caducar – deixando pouco tempo para análise dos parlamentares da Casa. Em 2013, o então presidente do Senado, Renan Calheiros, decidiu que não aceitaria mais MPs que chegassem a casa com menos de sete dias para perder a validade. Atualmente, os senadores têm sido obrigados a abrir mão de propor alterações e acabam concordando com os textos aprovados pelos deputados simplesmente para evitar que as Medidas Provisórias percam a validade.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado

 

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 22 de fevereiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 22 de fevereiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *