Justiça do Rio afasta, por unanimidade, Flordelis do cargo de deputada federal

Postado em 23 de fevereiro de 2021

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro afastou, nesta terça-feira, 23, por unanimidade, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ) de seu cargo. A parlamentar é acusada de ser mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, que foi assassinado em 16 de junho de 2019, com mais de trinta tiros. Uma neta e seis dos 55 filhos de Flordelis, estão presos aguardando julgamento. Assim como no caso do deputado Daniel Silveira, que preso após publicar vídeo com ataques ao Supremo Tribunal Federal, a decisão do TJ-RJ será submetida ao plenário da Câmara dos Deputados, que deverá decidir se mantém, ou não, o afastamento da parlamentar.

Os desembargadores Antonio José Ferreira de Carvalho e Kátia Maria Amaral Jangutta acompanharam o voto do relator, o desembargador Celso Ferreira Filho, que determinou que a decisão seja enviada à Câmara, no prazo de 24 horas. “Estou votando, portanto, para conhecer do recurso no sentido de dar a ela provimento para determinar a suspensão do exercício de qualquer função pública da recorrida, inclusive, a parlamentar até o exaurimento completo do julgamento final, pelo prazo máximo de um ano, remetendo-se a presente decisão, em 24 horas, à colenda Câmara dos Deputados, para que delibere na forma prevista do artigo 53, parágrafo 2º, da Constituição Federal”, declarou o relator.

“Inicialmente é de se assinalar ser irrefutável que a condição de parlamentar federal que ostenta, no momento, a ora recorrida, lhe proporciona uma situação vantajosa em relação aos demais corréus da ação penal originária. Tanto assim, que não foi ela levada ao cárcere. Inquestionável, também, que o poder político, administrativo e econômico da ora recorrida lhe assegura a utilização dos mais diversos meios, a fim de fazer prevalecer a sua tese defensiva”, justificou Ferreira Filho sobre sua decisão. Segundo ele, há evidências nas redes sociais de diálogos em que Flordelis intimida e persuade testemunhas e corréus. Para o desembargador, isso significa uma interferÊncia na apuração da verdade dos fatos. “Igualmente, não há dúvidas que, pela função que exerce, possui ela meios e modos de acessar informações e sistemas, diante dos relacionamentos que mantém em virtude da função parlamentar.” Os outros 10 acusados, entre filhos naturais e adotivos, aguardam a decisão da 3ª Vara Criminal de Niterói para saber se irão a júri popular.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *