Suspeição de Moro não representa absolvição de Lula, dizem especialistas

Postado em 24 de março de 2021

As consequências do julgamento que declarou o ex-juiz Sergio Moro, suspeito no caso do triplex do Guarujá, são incertas. A mestre em direito penal pela PUC de São Paulo, Jaqueline Valles, diz que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) não representa a absolvição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Documentos, contratos, essas provas são corretas. O que não é correto é a análise que foi feita pelo juiz que foi julgado suspeito. Então essas provas vão ser aproveitadas no próximo julgamento e podem levar à condenação do Lula. O Lula não foi absolvido”, disse. O promotor Marco Felipe Torres Castello afirma que todos os atos do processo serão anulados, mas as provas poderão ser reaproveitadas pelo juiz que assumir o caso. “Tem uma tese com nome bastante técnico que fala que o novo juiz pode referendas todos aqueles atos, ratificar os atos decisórios também, mas há uma divergência quanto isso. A regra é que se anulem todos os atos decisórios praticados pelo juiz que foi reconhecido como suspeito no caso concreto.”

Apesar da declaração da suspeição do ex-juiz Sergio Moro se restringir a apenas um réu da Operação Lava Jato, especialistas acreditam que a decisão terá impacto sobre o sistema judiciário e a forma como são conduzidos os processos penais em todo o país. Segundo o criminalista Daniel Bialski, a decisão da Segunda Turma do STF abriu um precedente em relação a outros réus da força-tarefa. “Obviamente, que algum acusado, algum condenado pela Lava Jato que tiver como demonstrar que no caso dele o juiz Moro também agiu de forma incorreta, de forma abusiva, de forma parcial, ele também vai poder postular no Tribunal a anulação e vai poder bater nas portas do Supremo para dizer ‘olha, naquele caso vocês entenderam dessa forma, no meu caso o raciocínio é o mesmo’. E o Supremo vai ter que analisar caso a caso e reconhecer, ou não reconhecer, a nulidade.”

O presidente da Associação dos Juízes Federais, André Brandão, teme um aumento da insegurança jurídica pelo uso de provas obtidas de modo ilícito. “Dessas interceptações indevidas está a possibvilidade de edição, é uma coisa que preocupa para o futuro. Não é bom, não é positivo. É dar força para esse tipo de prática. Não é algo recomendado”, avaliou. A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao ministro Luiz Fux, para julgar no plenário do Supremo a suspeição de Sergio Moro. O vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, afirmou que é preciso evitar contradições entre a suspeição e a anulação das condenações de Lula na Lava Jato. Medeiros sustentou que cabe ao plenário analisar a possibilidade de uso das mensagens roubadas pela defesa do ex-presidente e de outros réus na operação, decidindo as questões em conjunto.

*Com informações da repórter Caterina Achutti 

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 24 de março de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 24 de março de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Governo não deve ter maioria na CPI da Covid-19; entenda

Governo não deve ter maioria na CPI da Covid-19; entenda

Após a determinação do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu na sessão desta terça-feira, 13, o requerimento que cria a CPI da Covid-19. As apurações não ficarão restritas ao governo do...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *