Câmara rejeita projeto de lei que tentava ampliar poderes de Bolsonaro

Postado em 30 de março de 2021

Nesta terça-feira, 30, o deputado Major Vitor Hugo, líder do PSL na Câmara, trabalhou para aprovar um projeto de lei que ampliaria os poderes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) frente à condução da pandemia de Covid-19. No entanto, na reunião de líderes de bancada, decidiu-se que o projeto não entraria sequer na relação de temas a serem debatidos e votados no plenário. A proposta de Vitor Hugo, o PL 1.074 de 2021, aumentaria os poderes do presidente da República ao incluir a pandemia entre as situações das quais pode-se decretar Mobilização Nacional. O dispositivo que autoriza a Mobilização Nacional consta nas letras da Constituição desde 2007, quando a Câmara aprovou que este poderia ser acionado em situações de guerra. O projeto do líder do PSL pretende estender o uso do mecanismo diante da “situação de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente de pandemia” e “de catástrofes de grandes proporções, decorrentes de eventos da natureza combinados ou não com a ação humana”.

Segundo o PL, a partir da decretação da Mobilização Nacional, Bolsonaro ficaria responsável por designar um órgão de coordenação — permitindo a interferência estatal em fábricas privadas e a convocação de civis e militares. No documento em que apresenta o projeto, Vitor Hugo justificou a necessidade de sua criação e pediu apoio para colocá-lo em vigor. “Na convicção de que esta alteração legislativa capacitará o Estado brasileiro a agir de modo mais contundente, direto e eficaz no combate à pandemia, sem necessidade de se valer das intensas restrições a direitos, liberdades e garantias comuns a outros instrumentos de defesa do Estado e das instituições, conclamo meus nobres pares para que votem a seu favor”, registrou. Já em suas redes sociais, o parlamentar publicou um vídeo detalhando o PL. “Meu projeto de lei não inova no ordenamento jurídico, apenas cria mais uma hipótese de decretação da Mobilização Nacional. Esta, por sua vez, apenas entraria em vigor — após a solicitação do presidente e o aval do Congresso, para evitar que outras medidas mais graves pudessem ser decretadas, como o Estado de Sítio, Estado de Defesa e Intervenção Federal. Uma eventual Mobilização Nacional serviria para juntar esforços frente à grande ameaça da pandemia. Não há um golpe em curso, o único objetivo do meu projeto é reforçar as logísticas nacionais para combater a pandemia”, explicou.

O projeto de lei foi amplamente rejeitado por parlamentares de todos os espectros ideológicos, que se posicionaram publicamente sobre o tema. “A aprovação do projeto da mobilização nacional permitiria que Bolsonaro assumisse imediatamente o comando de todos os servidores civis e militares, e até convocar quem não é servidor. Isso significa assumir o comando das polícias civis e militares. Não tem outra palavra: golpe!”, disse o deputado federal Kim Kataguiri (DEM) em sua conta no Twitter. A psolista Sâmia Bomfim, um dos nomes da esquerda, também se pronunciou sobre o PL de Vitor Hugo. “Jair Bolsonaro está enfraquecido. A cúpula das Forças Armadas aparentemente frustrou os planos golpistas do presidente. Também não vai passar na Câmara o projeto autoritário apresentado por Vitor Hugo. O desfecho dessa grave crise precisa ser o impeachment imediato de Bolsonaro”, concluiu.

Confira as manifestações sobre o projeto de lei de Major Vitor Hujo:

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 30 de março de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 30 de março de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Governo não deve ter maioria na CPI da Covid-19; entenda

Governo não deve ter maioria na CPI da Covid-19; entenda

Após a determinação do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu na sessão desta terça-feira, 13, o requerimento que cria a CPI da Covid-19. As apurações não ficarão restritas ao governo do...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *