Em seu primeiro discurso, ministro do Itamaraty defende cooperação internacional ‘sem exclusões’

Postado em 6 de abril de 2021

O novo ministro das Relações Exteriores, Carlos França, tomou posse em uma cerimônia privada nesta terça-feira, 6. Em seu primeiro discurso como ministro, França foi na direção oposta ao de seu antecessor Ernesto Araújo e defendeu a diplomacia, o diálogo e a urgência do desenvolvimento sustentável no país. O ministro iniciou seu pronunciamento, que foi divulgado posteriormente pelo Itamaraty, sublinhando o que chamou de “as três urgências do Brasil”. “O momento é de urgências. E o Presidente Bolsonaro instruiu-me a enfrentá-las. Essa é a nossa missão mais imediata. Sublinho aqui três delas: a urgência no campo da saúde, a urgência da economia e a urgência do desenvolvimento sustentável”, disse França.

Sobre a articulação da pasta em busca de vacinas contra a Covid-19, ponto questionado frequentemente pelos críticos do ex-ministro, o atual chanceler defendeu uma “verdadeira diplomacia da saúde”. “Em diferentes partes do mundo, serão crescentes os contatos com governos e laboratórios, para mapear as vacinas disponíveis. Serão crescentes as consultas a governos e farmacêuticas, na busca de remédios necessários ao tratamento dos pacientes em estado mais grave. São aportes da frente externa que podemos e devemos trazer para o esforço interno de combate à pandemia. Aportes que não bastam em si, mas que podem ser decisivos”, assegurou. Segundo o ministro, seu compromisso é engajar o Brasil em um “intenso esforço de cooperação internacional, sem exclusões”. França adiantou que está trabalhando em conjunto com a Organização Mundial do Comércio (OMC) por uma iniciativa sobre Comércio e Saúde, que visa garantir o acesso amplo a vacinas e medicamentos.

Em relação à economia, o ministro afirmou que a modernização depende da maior integração do Brasil às cadeias globais de valor. “Não há modernização sem a exposição do País aos mais elevados padrões de políticas públicas – por isso é importante nosso cada vez mais estreito relacionamento com a OCDE. Não há modernização sem abertura ao mundo – e por essa razão a nossa política externa tem um sentido universalista, sempre guiado pela proteção de nossos legítimos interesses”, apontou. Sobre as mudanças climáticas, o chanceler defendeu que o Brasil está na “vanguarda” do desenvolvimento sustentável e limpo. De acordo com ele, o país deve mostrar ao mundo que sua matriz energética é predominantemente renovável, que setor elétrico é três vezes mais limpo do que a média mundial, que a produção agropecuária tem a marca da sustentabilidade e que o Brasil tem a legislação ambiental mais rigorosa do mundo. “Não se trata de negar os desafios, que obviamente persistem. O fato é que o Brasil, em matéria de desenvolvimento sustentável, está na coluna das soluções”, disse.

Um ponto importante no discurso de França foi a ênfase à união. Ele afirmou que a sua maior articulação será com órgãos públicos e com o Congresso Nacional e reforçou a importância do “diálogo multilateral”, principalmente com os país vizinhos. “O diálogo é essencial na resposta a essas urgências.” Porém enfatizou que não significa que o Brasil irá “aderir a toda e qualquer tentativa de consenso que venha a emergir, nas Nações Unidas ou em outras instâncias”. “O consenso multilateral bem trabalhado também é expressão da soberania nacional”, acrescentou. “No Itamaraty aprendi que a política externa é uma política pública que, como tal, deve estar a serviço das prioridades dos brasileiros”. O ministro afirmou que seu papel como diplomata será de um “construtor de pontes”.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 6 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 6 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *