Deputado do Novo cita pedalada fiscal no Orçamento 2021: ‘Se fizer, é impeachment’

Postado em 7 de abril de 2021

O partido Novo questiona no Supremo Tribunal Federal (STF) a distribuição de “emendas parlamentares sem carimbo” no Orçamento 2021. A ação se refere ao dispositivo que autoriza o envio de recursos direto aos Estados e municípios. A legenda também cobra posicionamento do Tribunal de Constas da União (TCU) sobre Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2021, já aprovado pelo Congresso Nacional e que, segundo o líder do partido na Câmara dos Deputados, Vínicius Poit, coloca em risco a responsabilidade fiscal do país e abre caminho para um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. “O risco [da proposta atual] é gastar muito mais do que arrecada e gastar errado. Quando não tem dinheiro em casa tem que cortar gastos, supérfluos, luxos. O problema é que os políticos do governo e do Congresso Nacional não estão entendo isso. Quando gasta errado e muito mais que arrecada tem irresponsabilidade fiscal. Isso pode acarretar impeachment.”

De acordo com Vinicius Poit, o Novo aguarda uma “manifestação rápida” sobre os questionamentos, uma vez que o assunto é de urgência. Segundo ele, a ação no Supremo está com o ministro Dias Toffoli e a legenda pediu uma audiência sobre o tema. “É emenda sem transparência, é dinheiro fazendo uma TED para o prefeito, o prefeito pode usar e não precisa dizer para quê. A situação é de calamidade, a situação é urgente, e a gente espera que o ministro despache, seja votado e deferida, não permita essa atitude do Congresso Nacional e do governo de mandar dinheiro sem prestação de contas e sem transparência”, disse. “Esperamos um parecer duro do ministro Bruno Dantas da outra ação nossa do Tribunal de Contas da União sobre essa pedalada fiscal que o governo pode estar dando. Já avisada, porque se der é impeachment. Não tem outra saída.”

Segundo o deputado federal, não há um “erro” no Orçamento 2021, mas uma irresponsabilidade “sabida e pensada” pelo Executivo para “comprar governabilidade e base de apoio no Congresso”. O parlamentar afirma que o Ministério da Economia enviou um comunicado alertando sobre rombo de R$ 17 bilhões nas despesas obrigatórias, mas o aviso foi ignorado. “Por que Paulo Guedes ainda está lá se suas opiniões não são ouvidas?”, questionou o líder do Novo, que completou: “Não sei até que ponto as pessoas de boa fé vão continuar aguentando desaforo”, em referência ao desrespeito às recomendações da equipe econômica.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *