Especial Lava Jato: Operações deixaram grandes nomes da política brasileiras acuados

Postado em 7 de abril de 2021

Juízo Final, Que País É Esse?, Erga Omnes, Radioatividade, Pixuleco, Acarajé, Aletheia, Xepa, Carbono 14, Omertà, Calicute: nomes criativos e subjetivos. A Polícia Federal planejava a executava missão atrás de missão. Foram 80 fases de um quebra-cabeças difícil de se montar e que, até hoje, gera discussões. Fim de madrugada e começo da manhã, o Japonês da Federal chegava com a equipe nas casas dos investigados. Quem não se lembra das cenas do policial de óculos escuros algemando poderosos do circuito de Brasília?

Os envolvidos em denúncias se sentiam acuados e grandes nomes da politica do país eram conduzidos pelos policiais, como no caso do ex-ministro José Dirceu. De acordo com investigações da Lava Jato, uma empresa em nome de Dirceu recebeu da Camargo Correa, de forma suspeita, cerca de R$ 886 mil. Outro petista, Antônio Palocci aceitou fazer delação premiada e, em troca, acusou o ex-presidente Lula de ter conhecimento sobre a corrupção. Antônio Palocci também foi acusado de pedir R$ 2 bi para a campanha de Dilma Rousseff e acabou preso em 2016.

Outro figurão da política envolvido, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha teria se beneficiado do gigantesco esquema na Petrobras. Já Sérgio Cabral entrou para o hall dos maiores corruptos do Brasil. O ex-governador do Rio de Janeiro foi réu mais de 23 vezes e condenado pelo menos 14. Carros de luxo, lanchas, joias e mansões: ao mesmo tempo que ele enriquecia ilicitamente, o Estado do Rio de Janeiro mergulhado no caos. Ao juiz Marcelo Bretas, o político se dizia vítima de injustiças. Entre as confissões para a Polícia e a Justiça, Sérgio Cabral admitiu que vendeu as Olimpíadas de 2016 no Rio.

E, ainda no Estado, o empresário Eike Batista teve o nome citado na Lava Jato e foi investigado. As delações premiadas ajudaram os investigadores a descobrir que a Odebrecht tinha o departamento de operações estruturado. Os envolvidos em esquemas de propina eram identificados por codinomes, como revelou o empresário Marcelo Odebrecht. Amigo, Alemão, Amante, Botafogo, Bocão, Bonitinho, Calvo, Contador, Flamengo, Santo, Timão e Vaqueiro estavam entre os apelidos.

No meio do furacão, a então presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, renunciou ao cargo e não escondeu constrangimento. A Petrobras derretia e passava pela pior crise da história. As perdas com a corrupção teriam chegado a R$ 88 bilhões. No Congresso Nacional, foi aberta uma CPI para apurar o Petrolão. Paulo Roberto Costa e Alberto Youseff ficaram frente a frente. A refinaria de Pasadena, nos EUA, citada por Paulo Roberto Costa, era chamada de Ruivinha por causa das estruturas enferrujadas.

A Polícia Federal responsabilizou Dilma Roussef pelo prejuízo no negocio, fechado quando ela chefiava o Conselho de Administração da Petrobras. O então procurador da Lava Jato, Carlos Fernando dos Santos Lima, destacava que todos os partidos estavam envolvidos nos esquemas. PT, PP, DEM, MDB, PSDB e outras legendas não estavam mais nos cadernos de política dos jornais: Viraram destaque nas páginas policiais.

*Com informações de Thiago Uberreich e Adriana Reid

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *