Gilmar vota contra presença de público nas igrejas e julgamento é suspenso

Postado em 7 de abril de 2021

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou contra a presença de público em missas e cultos no país. Na sequência, a sessão foi encerrada pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux – o julgamento será retomado nesta quinta-feira, 8, às 14h. O plenário analisa se prefeitos e governadores têm autonomia para adotar medidas que impeçam celebrações coletivas em templos religiosos no momento mais crítico da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Mendes é relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), impetrada no STF pelo Partido Social Democrático (PSD), que questiona o decreto do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que veta a realização de rituais religiosos na fase mais restritiva do Plano São Paulo. Na segunda-feira, 5, o ministro negou o pedido ajuizado pela legenda. No sábado, 3, porém, o ministro Nunes Marques autorizou a realização de cultos e missas em todo o país, desde que fossem adotados protocolos sanitários contra a Covid-19.

Em seu voto, Gilmar Mendes criticou a sustentação oral do advogado-Geral da União, André Mendonça, que defendeu a abertura de igrejas sob a justificativa de que o transporte coletivo é foco de aglomerações. O ministro afirmou que ao ouvir a argumentação do chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), pensou que ele estivesse voltando de uma “viagem a Marte”. “Quando a sua Excelência fala dos problemas dos transportes no Brasil, especialemnte do transporte coletivo, e fala do problema do transporte aéreo, com a acumulação de pessoas, eu poderia ter entendido que sua Excelência teria vindo para a tribuna do Supremo de uma viagem a Marte, descolado de qualquer responsabilidade institucional, com qualquer assunto no Brasil. Mas sua Excelência, fui verificar aqui, ‘googlar’, como dizem os mais jovens, e verifiquei aqui que ele era ministro da Justiça até recentemente, com responsabilidades institucionais, inclusive, de propor medidas. À União cabe legislar sobre diretrizes da política nacional de transportes. Sobre trânsito e transporte. Me parece que está havendo um certo delírio nesse contexto geral. É preciso que cada um de nós assuma a sua responsabilidade. Isso precisa ficar muito claro. Não tentemos enganar ninguém. Até porque os bobos ficaram fora da Corte”, disse.

O relator também citou exemplos de países que impuseram restrições a cultos, como Dinamarca, Alemanha, França e Reino Unido. “Houve no segundo semestre do ano passado um movimento mundial de restrições à liberdade de culto”, disse. “Ninguém vai dizer que aqui estejam países de vocação autoritária”, acrescentou.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *