Especial Lava Jato: No combate à corrupção, não faltaram ataques à força-tarefa

Postado em 9 de abril de 2021

É inegável que a Lava Jato fez o Brasil acordar para a corrupção nas entranhas dos poderes. Desde 2014, protestos em favor da força tarefa de Curitiba viraram rotina no país. A defesa da Lava Jato, fim do foro privilegiado e a prisão em segunda instância estavam na boca do povo. Já na boca dos políticos contrários à operação, como o deputado Glauber Braga (PSOL), ataques não faltaram. “O senhor vai estar, sim, nos livros de história. Vai estar nos livros de história como o juiz que se corrompeu, como um juiz ladrão. É isso que vai estar nos livros de história.” Em sessão na Comissão de Constituição e Justiça na Câmara dos Deputados, em 2019, Sergio Moro, já ministro, rebateu os insultos do parlamentar. “O senhor não tem fato, não tem argumento, só tem ofensas. O senhor é desqualificado para exercer esse cargo.”

Os advogados de investigados na Lava Jato também não perdiam a chance de alfinetar Sergio Moro, como Antônio Carlos de Almeida Castro — o Kakay. Os ataques vinham de todos os lados. O senador Fernando Collor acusou o então procurador Rodrigo Janot de vazar dados da Lava Jato. Rodrigo Janot retrucou. “Alguns meios de comunicação deram a chamada lista do Janot. Alguns acertavam nomes, outros erraram. E não se vaza nome errado.” O procurador teve embates também com o ministro Gilmar Mendes. E nas páginas de um livro, relatou que foi armado ao Supremo Tribunal Federal para matar o magistrado. O ministro do STF atacou inúmeras vezes os métodos da Lava Jato.

As conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil, obtidas por meio de hackers, causaram constrangimento à cúpula da Lava Jato. As mensagens indicariam que Sergio Moro sugeriu testemunhas e aconselhou procuradores. Ele questionava a origem ilícita das informações. “Alguém, com muitos recursos, está por trás dessas invasões. E o objetivo principal seria invalidar condenações da Operação Lava Jato e impedir novas investigações.”

Assim como Sergio Moro, o procurador Deltan Dallagnol lamentou o que passou a ser chamado de Vaza Jato. Dallagnol sofreu investigações e foi punido por manifestações políticas nas redes sociais. Ele deixou a força tarefa em setembro de 2020. As defesas de investigados começaram a pedir acesso as conversas, como Cristiano Zanin Martins, advogado de Lula. “Toda essa troca de informação, todo o relacionamento com as autoridades estrangeiras não ocorreram oficialmente, não ocorriam dentro dos canais oficiais. Ocorria no Telegram, na busca de um pretexto sigilo.”

O ministro Ricardo Lewandowski retirou o sigilo do protesto com base nas mensagens obtidas a partir da Operação Spoofing. O cerco da Lava Jato foi se fechando. O atual procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu uma correção de rumos. Em junho de 2020, Augusto Aras determinou a subprocuradora Lindora Araújo para que fosse a Curitiba consultar arquivos da força tarefa. Apesar da ida dela ter despertado reações e criticas, o chefe do Ministério Público justificou o envio da aliada. O procurador pediu ainda investigação contra integrantes da Lava Jato e proclamou o fim da força tarefa. Em fevereiro de 2021, crítico do Supremo Tribunal Federal, o jurista Modesto Carvalhosa lamentou. Em meio a desconfianças, o trabalho da Lava Jato foi incorporado ao Gaeco do Ministério Público Federal. Qual será o futuro do combate a corrupção no Brasil? Só o tempo vai dizer.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *