Governo não deve ter maioria na CPI da Covid-19; entenda

Postado em 14 de abril de 2021

Após a determinação do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu na sessão desta terça-feira, 13, o requerimento que cria a CPI da Covid-19. As apurações não ficarão restritas ao governo do presidente Jair Bolsonaro, mas apenas o repasse de verbas federais a Estados e municípios poderá ser investigado. Apesar de parlamentares governistas terem comemorado o fato de o pedido do senador Eduardo Girão (Podemos-CE) ter sido apensado ao do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), as indicações partidárias feitas até o momento indicam que o Palácio do Planalto não deve ter maioria no colegiado.

A CPI será formada por 11 titulares e 7 suplentes e, até o momento, dez parlamentares foram escolhidos por seus partidos – resta a indicação de um senador do PL ou do PSC, partidos da base do governo. O bloco Unidos pelo Brasil, formado pelos partidos MDB, Republicanos e Progressistas (PP), indicou os senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Eduardo Braga (MDB-AM) e Ciro Nogueira (PP-PI). O primeiro é um crítico contumaz do governo, enquanto Braga, líder da legenda no Senado, acentuou às críticas à gestão de Bolsonaro na pandemia após o colapso em Manaus. Nogueira, por sua vez, é presidente nacional do PP e um dos principais aliados do presidente da República no Congresso.

Também estão confirmados os nomes de Humberto Costa (PT-PE), Otto Alencar (PSD-BA), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Omar Aziz (PSD-AM), Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério (DEM-RO). Os quatro primeiros fazem oposição ao governo federal, enquanto Girão e Rogério têm identificação com o governo – Aziz, por sua vez, é tido como independente. A última vaga, pertencente ao bloco Vanguarda, deve ficar entre os senadores Jorginho Mello (PL-SC) e Zequinha Marinho (PSC-PA). Com isso, ao menos até o momento, o governo Bolsonaro conta com apenas quatro cadeiras. Diante deste cenário, segundo apurou a Jovem Pan, a tropa de choque do Palácio do Planalto trabalha, agora, para “conter danos”, ou seja, impedir que a relatoria fique com um opositor – dois dos nomes cotados são Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues.

Além disso, aliados do presidente da República também tentam protelar o início dos trabalhos. Na sessão desta terça-feira, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) apresentou questão de ordem – não respondida por Pacheco – para que a CPI só passe a funcionar quando os senadores e os servidores envolvidos com o colegiado estejam vacinados.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 14 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *