Bolsonaristas fazem campanha contra Renan Calheiros na relatoria da CPI da Covid-19

Postado em 19 de abril de 2021

Apesar do acordo formalizado entre a maioria dos integrantes da CPI da Covid-19, parlamentares bolsonaristas estão fazendo campanha nas redes sociais contra a escolha do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria da comissão – as indicações serão oficializadas na primeira sessão da CPI, prevista para ocorrer na quinta-feira, 22. Em seu perfil no Twitter, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) pediu a seus seguidores que cobrassem os demais integrantes do colegiado com a hashtag #RenanSuspeito. “Quer ajudar o país? Hoje é o dia explodir a tag #RenanSuspeito. Comente nas postagens dos senadores da CPI”, diz a publicação de Zambelli. Crítico ferrenho da condução do governo do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia do novo coronavírus, o emedebista é visto como um opositor do Palácio do Planalto, que trabalhou para evitar que ex-presidente do Senado ocupasse um posto na cúpula da CPI.

Publicação semelhante foi feita pelo deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP), outro integrante da tropa de choque bolsonarista no Legislativo. “Pela coerência. Vamos subir a hastag #RenanSuspeito”, escreveu. Ex-ministro do Turismo, o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG) afirmou que entrará com uma ação questionando o “conflito de interesses” na indicação de Calheiros. “O princípio da suspeição do juízo é clara: Renan Calheiros não pode ser relator da CPI da Covid-19. Tendo em vista que é pai de um Governador, também, objeto de investigação da CPI. Considerando que a CPI em tese é um juízo investigativo, é oportuno atribuir o princípio da suspeição do juízo para coibir que a relatoria seja dada ao Sen. Renan Calheiros. Entrarei com uma ação por meio nosso mandato parlamentar, questionando este conflito de interesses”, disse em uma sequência de três tuítes – o emedebista é pai do governador do Estado de Alagoas, Renan Filho (MDB). Como a Jovem Pan mostrou, não serão investigadas as gestões de prefeitos e governadores, mas sim o repasse de verbas da União a Estados e municípios – o regimento interno do Senado é claro ao dizer, no artigo 146, que “não se admitirá comissão parlamentar de inquérito sobre matérias pertinentes: à Câmara dos Deputados; às atribuições do Poder Judiciário; aos Estados”.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 19 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *