Braga Netto defende união, respeito às urnas e independência entre poderes

Postado em 21 de abril de 2021

Às vésperas do início dos trabalhos da CPI da Covid-19 no Senado Federal, e já contando com uma artilharia pesada contra o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Defesa, general Walter Souza Braga Netto, defendeu a necessidade de união. Ele rechaçou qualquer movimento que tenha como objetivo limitar a liberdade da população e lembrou que é preciso respeitar decisões da sociedade. “Enganam-se aqueles que creditam estarmos sob um terreno fértil para iniciativas que possam colocar em risco a liberdade conquistada por nossa nação. É preciso respeitas o rito democrático e o projeto escolhido pela maioria dos brasileiros para conduzir os destinos do país”, disse. Durante transmissão do comando do Exército, o ministro citou o trabalho que está sendo realizado pelas Forças Armadas no combate à Covid-19 e ressaltou a meta é trabalhar pelo bem estar nacional. “O momento requer um maior esforço de união nacional, com foco no combate à pandemia e no apoio à vacinação. Hoje, o país precisa estar unido contra qualquer tipo de iniciativa de desestabilização institucional que altere o equilíbrio entre os poderes e prejudique a prosperidade do Brasil.”

Braga Netto ainda ressaltou que as Forças Armadas estão prontas para servir nesse momento de tensões e incertezas, que colocam em xeque a independência e harmonia das instituições. Diante da pressão internacional, ele lembrou inclusive que os militares estão realizando um trabalho importante também na Amazônia. “A gestão ambiental, as discussões a respeito da conservação do bioma Amazônia voltaram à temática nacional e internacional, mas os brasileiros que estão presentes na região sabem que a floresta continua de pé, ninguém melhor que as Forças Armadas para conservá-la, exigindo a prontidão de um trabalho árduo e contínuo”, afirmou.  O discurso agradou o presidente Bolsonaro, que aprova um posicionamento mais firme do Exército para defesa do governo federal. Braga Netto substituiu Fernando Azevedo, que se negou a fazer substituições nos comandos das Forças Armadas defendidas pelo presidente da República. Apesar de negar qualquer tipo de crise, foi a primeira vez na história que todos os comandantes, do Exército, Marinha e Aeronáutica foram substituídos ao mesmo tempo.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *