PL classifica morte de profissionais por Covid-19 como acidente de trabalho 

Postado em 21 de abril de 2021

Um projeto de lei quer transformar em acidente de trabalho a morte de de profissionais da saúde pela Covid-19. O texto, que atualmente está na Comissão de Seguridade Social e Família, da Câmara, também inclui os trabalhadores de serviços essenciais. O objetivo é amparar as famílias desses profissionais com os benefícios previstos na lei. Autor do texto, o deputado federal Eduardo Bismarck afirma que a regra deve valer permanentemente para a área da saúde, mas deve ser móvel para os demais trabalhadores. “Vamos supor que a época da pandemia diminua a fase crítica, mas o coronavírus estará entre nós por um bom tempo até ser erradicado da população, nessas hipóteses não haveria decreto administrativo que consideraria o serviço essencial. Então, nesse caso, trabalhadores que foram contaminados em serviços que em outros tempos foram essenciais não estariam abrigados pela legislação. Por outro lado, os profissionais da saúde passariam a ter esse benefício garantido de forma permanente e constante”, disse. O deputado acredita que o projeto terá apoio dos parlamentares; mas que pode sofrer resistências de áreas ligadas ao governo federal e ao INSS. Doutor em saúde pública pela USP, o cirurgião-dentista Moacir Tavares destaca a importância do suporte da lei. “Além de garantir algum auxílio pecuniário para o profissionais, se ele vier a óbito, a sua família também será amparado pelo que regem os acidentes de trabalho da previdência social. Ele faz justiça a quem está se expondo ao risco.”

Recentemente, o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo confirmou uma sentença que reconheceu a Covid-19 como doença ocupacional. Na decisão, dada contra os Correios, os desembargadores levaram em conta o fato de a empresa não ter adotado medidas para reduzir os riscos de contágio e determinaram a emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho para casos confirmados. O advogado Ciro Ferrando de Almeida alerta, no entanto, que as medidas de prevenção devem ser tomadas tanto por funcionários quanto por empregadores. “Se o empregador tem que disponibilizar máscara, tem que disponibilizar álcool gel, o empregado também tem que observar isso. O empregado que se contaminar no local de trabalho, mas ficar constatado que não utilizava a máscara escondido do empregador, ele e seus familiares, eventualmente em uma ação, estão fadados a perder essa indenização”, disse. Vale lembrar que o Ministério da Economia divulgou uma nota técnica que esclarece que a Covid-19 não deve ser considerada como doença ocupacional, exceto mediante a comprovação do nexo causal.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Uma só Constituição

*Artigo publicado na Gazeta do Povo, dia 14 de junho de 2021. Paira no país certa insatisfação com o STF. O atual conceito do tribunal difere grandemente daquele citado por ex-ministros notáveis,...

Artigos Relacionados

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não comparecer à CPI da Covid-19. Em pedido apresentado nesta terça-feira, 15, a defesa do político pede que ele não seja obrigado prestar depoimento aos senadores,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *