Decisão sobre suspeição de Moro não deve ser revertida, avaliam advogados

Postado em 22 de abril de 2021

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve finalizar nesta quinta-feira, o julgamento da anulação das condenações do ex-presidente Lula e decidir se os processos serão remetidos à Justiça Federal do Distrito Federal ou de São Paulo. Na sequência, os ministros discutirão a decisão da Segunda Turma, que declarou a parcialidade do ex-juiz Sergio Moro. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay, questiona o caso ser levado ao plenário. “Essa decisão está liquidada, está feita, não há como o Supremo Tribunal na sua composição plenária vir desfazer uma decisão que a Turma tomou. Advogo o Supremo há 40 anos, isso nunca aconteceu”, disse. O ministro Luiz Edson Fachin, quando anulou as condenações em Curitiba, defendeu a perda de objeto do habeas corpus da defesa de Lula pela suspeição do ex-juiz Moro.

No entanto, o ministro Gilmar Mendes levou o tema ao julgamento da Segunda Turma, com aval a suspeição. No dia 14, por 9 a 2, os ministros decidiram manter a discussão dos processos no plenário. Na última quinta-feira, por 8 a 3, os magistrados mantiveram o entendimento de Fachin, pela incompetência da Justiça Federal do Paraná. A advogada Vera Chemin analisa o imbróglio jurídico. “O julgamento com relação à suspeição do ex-juiz Moro deveria objeto em razão da declaração de incompetência do juízo de Curitiba, então teríamos por consequência a anulação do julgamento sobre a suspeição feiro pela 2ª turma. Caso contrário, se eles julgarem que não foi prejudicado, deduz que a declaração de parcialidade do ex-juiz Moro será mantida em razão do julgamento da segunda turma”, disse. Na prática, as condenações, que retiravam os direitos políticos de Lula, perderam efeito. Com isso, o ex-presidente pode se candidatar nas próximas eleições.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

 

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 22 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *