Bolsonaro volta a defender medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19

Postado em 28 de abril de 2021

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender, nesta terça-feira, 27, o uso de medicamentos sem a eficácia comprovada no tratamento contra a Covid-19. Em conversa com apoiadores, ele negou que tenha minimizado o poder do coronavírus e que tenha chamado a pandemia de ‘gripezinha’, afirmou que não errou em nenhuma das previsões e decisões que tomou no último ano, e se eximiu de qualquer responsabilidade em relação ao número de desempregados argumentando que não foi responsável por nenhuma medida restritiva. Bolsonaro disse que considera e respeita o papel e as decisões da medicina, mas defendeu que, em situações emergenciais, é preciso buscar saídas que não estão previstas nos protocolos médicos. “Se for esperar a comprovação científica. Respeitamos a medicina, mas emergência. É igual um cara que é picado por cobra, tem que fazer alguma coisa, uma sucção, tem que fazer alguma coisa. É questão de momento.’

A conversa com apoiadores aconteceu logo após um café da manhã oferecido por ele a ministros titulares e substitutos do Tribunal de Contas de União – realizado no Palácio da Alvorada. O presidente estava acompanhado do ministro da Economia, Paulo Guedes, e aproveitou a oportunidade para enaltecer o trabalho que vem sendo desempenhado pelo economista, principalmente no que diz respeito às medidas de combate aos efeitos da pandemia. Para Bolsonaro, a história seria outra caso uma indicação política estivesse à frente da equipe econômica neste momento.

“Ele tem que ter um profundo conhecimento. Não dá certo, se fosse indicação política ou de grupos, como estaria a economia do Brasil com uma pandemia dessas? Somos um dos países que menos decresceu”, disse. De acordo com o Relatório de Estabilidade Financeira, relativo ao segundo semestre de 2020, divulgado nesta terça-feira pelo Banco Central, o sistema financeiro nacional está preparado para enfrentar as incertezas relativas aos desdobramentos da pandemia. De qualquer forma, segundo a própria instituição, ainda é preciso agir com cautela, já que os dados ainda não contemplaram os efeitos do recente e agudo aumento de casos de Covid-19.

*Com informações do repórter Antonio Maldonado

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 28 de abril de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Francisco Zardo publica artigo no Estadão

Francisco Zardo publica artigo no Estadão

As sanções administrativas da Lei Geral de Proteção de Dados entraram em vigor no dia 1º de agosto. Confira aqui o artigo do advogado Francisco Zardo, publicado no Estadão, no blog do Fausto Macedo, com o título “LGPD: agora é pra valer“.The post Francisco Zardo...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *