Quebra de patente pode trazer grave problema para vacinação no Brasil, diz Marcelo Ramos

Postado em 3 de maio de 2021

O Senado Federal aprovou no dia 29 de abril a quebra de patente de vacinas contra a Covi-19. Por 55 votos a 19, os parlamentares deram aval para a licença compulsória dos compostos farmacêuticos. No entanto, antes da sanção presidencial, o texto, que sofreu alterações, deve passar pela análise e votação na Câmara dos Deputados, onde pode resistências. Na avaliação do deputado federal Marcelo Ramos, a proposta é um “equívoco” que pode trazer sérias consequências para a vacinação no Brasil. “Não há pedido de patente de IFA no Brasil. Se você quebrar, vai criar um problema com o detentor da patente que pode retaliar e não tem quem possa produzir [o insumo no país]. Ainda que tenha pedido do IFA, precisa de um tempo para montar as plantas industriais, de treinar as pessoas para isso, de produzir e distribuir. O Brasil não tem esse tempo a esperar. É um equívoco, nesse momento, debater  a quebra da patente, não temos nada para substituir o atual IFA importado”, afirmou o parlamentar nesta segunda-feira, 3, durante entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

O IFA mencionado pelo vice-presidente da Câmara se refere ao ingrediente farmacêutico ativo (IFA) usado para a produção das vacinas. Atualmente, o Brasil não tem a produção do composto, tendo como principal fornecedor a China. A Fiocruz e do Instituto Butantan planejam iniciar a fabricação nacional nos próximos, mas, segundo Marcelo Ramos, a indústria farmacêutica brasileira não vê possibilidade de viabilizar a produção nesse momento, tornando a quebra de patente ineficaz. “A indústria farmacêutica brasileira diz que não tem condições de fazer imediatamente a produção do IFA. Como vamos quebrar a patente sem ter como produzir e podendo ter como efeito a paralisação da vendas? Há boa intenção, mas ela não está conectada com a realidade. Ela pode com a sua boa intenção causar um grave problema pra o processo de vacinação no país”, disse, reforçando as possíveis consequências da decisão. “Não posso dizer que acontecerá, mas posso alertar que o risco é enorme dos chineses suspenderem a venda de IFA, porque eles são os detentores da patente.”

De maneira simplificada, quebrar a patente de composto, medicamento ou insumo farmacêutico significa retirar “o direito de propriedade da marca de um determinado produto”. No entanto, a proposta é tema de amplo debate e vista, por parte da sociedade, como um desrespeito à propriedade intelectual. “Entendo que estão ansiosos pela vacinação, mas temos que ter cuidado e responsabilidade. Vamos ouvir a indústria farmacêutica. Eles publicaram uma nota afirmando que não têm como produzir o IFA. Se a indústria não tem condições, vai quebrar patente para quem produzir? Isso não é um shampoo que se compra na esquina. Estamos falando de altos custos de vacina. Vamos quebrar patente para quem produzir? Hoje, segundo a indústria, para ninguém produzir.”

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 3 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

‘A luta é dura e árdua’, disse Bruno Covas em sua última carta

Em sua última carta, o prefeito Bruno Covas (PSDB) agradeceu às manifestações de apoio dos companheiros de partido e afirmou que, “de cabeça erguida”, estava enfrentando os “desafios que a vida (lhe) impõe”. “A luta é dura e árdua, mas não esmoreço e sigo em frente”,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *