Contratos de vacinas e ações da Saúde: o que a CPI da Covid-19 quer ouvir de Queiroga

Postado em 6 de maio de 2021

Nesta quinta-feira, 6, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, será o terceiro a depor à CPI da Covid-19 – o depoimento do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, está previsto para a tarde de hoje. O médico cardiologista, escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para substituir o general Eduardo Pazuello, assumiu a pasta no momento mais crítico da pandemia do novo coronavírus no Brasil – no dia 23 de março, quando foi empossado, o país possuía 298.676 mortes, e grande parte dos Estados enfrentavam o colapso do sistema hospitalar. Integrantes da comissão ouvidos pela Jovem Pan afirmam que Queiroga será questionado sobre os contratos de vacinas firmados pelo governo federal com farmacêuticas e o que tem sido feito pelo ministério para mitigar os efeitos da crise sanitária.

Nas últimas semanas, o governo federal tem divulgado, inclusive através de propagandas oficiais, o número de 560 milhões de vacinas contra a Covid-19 já contratadas pela União. Entretanto, em resposta a um requerimento de informações do deputado Gustavo Fruet (PDT-PR), o Ministério da Saúde afirma que apenas cerca de 280 milhões, ou seja, a metade, já tem contrato fechado. Os senadores que integram a CPI querem esclarecer em que pé estão as negociações com as farmacêuticas e como estas negociações impactam o cronograma de imunização.

Como a Jovem Pan mostrou, antes do início dos trabalhos da CPI, havia um impasse sobre quem deveria ser chamado prioritariamente para prestar esclarecimentos. Uma ala de senadores defendia que os primeiros a serem ouvidos fossem quem ocupa algum cargo atualmente – no caso específico de Queiroga, o foco seria apurar qual foi o legado deixado pela gestão de Eduardo Pazuello, exonerado em 18 de março deste ano, o que tem sido feito no pior momento da pandemia e quais as alternativas viáveis para evitar um cenário ainda pior. “É mais complicado fazer manutenção com o carro andando, mas nesse caso é fundamental”, disse à reportagem um dos titulares da comissão.

A CPI, no entanto, optou por fazer uma reconstituição dos fatos. O primeiro a depor foi o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, seguido pelo oncologista Nelson Teich, que deixou o Ministério da Saúde após 29 dias – em seu depoimento à comissão, afirmou que pediu exoneração porque não concordava com a ampliação do uso da cloroquina

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 6 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *