Cúpula da CPI da Covid-19 foi alertada de que Pazuello cogita recorrer ao STF para não depor

Postado em 10 de maio de 2021

Apesar do depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello ter sido adiado para o dia 19 de maio, a cúpula da CPI da Covid-19 foi alertada de que o general da ativa cogita recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para evitar comparecer à comissão na condição de testemunha. Neste caso, o depoente é obrigado a dizer a verdade e responder a todas as perguntas. Porém, na condição de investigado, poderá permanecer calado. A oitiva de Pazuello estava prevista para ocorrer na quarta-feira, 5, mas foi desmarcada porque o ex-comandante do Ministério da Saúde alegou ter tido contato com dois assessores infectados com o novo coronavírus.

Segundo um interlocutor de Pazuello ouvido pela Jovem Pan, a decisão sobre apresentar um pedido de habeas corpus ao STF ainda não está tomada. O entorno do general avalia que o recurso tem poucas chances de prosperar, porque deve ser avaliado pelo ministro Ricardo Lewandowski – o magistrado se tornou responsável pelos questionamentos relacionados à CPI da Covid-19 quando foi sorteado para relator o pedido feito por parlamentares governistas para impedir que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) se tornasse relator da comissão. Um eventual revés do ex-ministro da Saúde no Supremo ampliaria ainda mais o desgaste de sua imagem.

Se Pazuello decidir recorrer ao Supremo, irá alegar que é investigado pela Justiça Federal do Distrito Federal no inquérito que apura se houve omissão do ex-ministro na crise da falta de oxigênio que atingiu o Estado do Amazonas. Quando foi exonerado, o general perdeu o foro privilegiado e, por decisão do ministro Ricardo Lewandowski, o caso, que estava no STF, foi enviado para a primeira instância. “Considerando que o presente inquérito trata de supostos crimes praticados a partir do Distrito Federal, sede do Ministério da Saúde, determino a remessa dos presentes autos a uma das Varas Criminais da Seção Judiciária Federal de Brasília”, escreveu o magistrado, em uma decisão do dia 24 de março. A investigação foi iniciada em janeiro deste ano, a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 10 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 10 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Rogéria Dotti participa de evento promovido pela AASP

Rogéria Dotti participa de evento promovido pela AASP

Nos dias 05 e 06 de agosto, acontece o evento “Desjudicialização da Execução Civil. Debate sobre o PL Nº 6.204/2019”, organizado pela Associação dos Advogados de São Paulo-AASP e coordenação de Flávia Ribeiro. Rogéria Dotti está confirmada para proferir palestra ao...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *