Senador aconselha Pazuello a ir depor na CPI da Covid-19 ‘guarnecido de proteção’

Postado em 13 de maio de 2021

O senador Marcos Rogério, líder do partido Democratas no Senado Federal, acredita que o clima de “ameaças” na CPI da Covid-19 cria um “ambiente muito ruim” para os trabalhados do colegiado. Na visão do parlamentar, membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), especialmente o relator, senador Renan Calheiros, não estão “conectados com a busca da verdade” durante os depoimentos, mas com a confirmação de julgamentos pré-determinados. “Quer reproduzir nas testemunhas aquilo que é a sua própria concepção. Tem uma sentença no bolso e aí, vez ou outra, questiona para preencher o que quer confirmar na sua sentença, no seu julgamento”, disse nesta quinta-feira, 13. Considerando essa tensão, ao ser questionado sobre as expecativas para o depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, Marcos Rogério afirmou que o general deve ir “guarnecido de proteção”.

“Nenhum depoente deve comparecer para depor sob ameaças. Aliás, a regra diz isso. A testemunha não deve ser orientada, constrangida e ameaçada. Quem está ameaçando nesse momento são os próprios da CPI. Talvez seja um bom conselho ele vir guarnecido de proteção em um ambiente que está contaminado. Já há um pré-julgamento e, caso não confirme os opositores e os pré-julgadores, talvez seja bom vir com a garantia constitucional”, afirmou, entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, condenando o pedido de prisão, segundo ele ilegal, ao ex-ministro das Comunicações. Ainda sobre o depoimento de Fábio Wajngarten, Marcos Rogério afirmou que a apresentação da carta da farmacêutica Pfizer na CPI da Covid-19, endereçada ao governo brasileiro, apenas confirmou que o contrato para a aquisição de vacinas era “inexequível”.

De acordo com o parlamentar, considerando as “cláusulas leoninas” do pré-contrato apresentado, é “óbvio que um gestor público consciente da legislação brasileira jamais poderia assinar um contrato como esse”. Para o senador, foi a intermediação feita pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que permitiu avançar na contratação dos imunizantes. “Quem solucionou esse impasse e permitiu foi o parlamento quando aprovou aquela lei autorizando o governo brasileiro a assinar. Foi o parlamento que conseguiu garantir contrato com a Pfizer, com as garantias que não haveria nenhum problema jurídico”, disse. Nesta quinta-feira, a CPI da Covid-19 recebe representantes da Pfizer. A expectativa, segundo Marcos Rogério, é que a oitiva “não seja tão longa” e sejam abordadas questões sobre o contrato firmado e as cláusulas apresentadas.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 13 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *