Flordelis diz que virou ‘pária’ na Câmara e pede: ‘Me deixem continuar com o meu mandato’

Postado em 14 de maio de 2021

A deputada federal Flordelis (PSD) compareceu nesta quinta-feira, 14, pela primeira vez, ao Conselho de Ética da Câmara para depor. Ela responde a processo que pode levar à cassação do mandato, já que foi denunciada como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019. Em seu depoimento, a parlamentar negou o crime e diz que carrega o rótulo de assassina. “Virei pária para o governo, para direita, para esquerda, seja lá quem for desta Casa. Que quer surfar na mídia, que clama pelo meu sangue”, disse. Flordelis responde por homicídio triplamente qualificado – “motivo torpe, emprego de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima” e também é acusada por tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada. Flordelis a seus colegas que não ajam injustamente contra ela. “Queria que vocês pensassem, refletissem, para que uma injustiça não seja cometida nessa Casa. Que a injustiça não seja cometida com a minha vida, me deixem continuar com o meu mandato, me deixem continuar com o meu trabalho.”

A parlamentar falou sobre o depoimento nas redes sociais. Em publicação no Instagram, Flordelis escreveu que saiu “aliviada e de alma lavada”. “Sempre trabalhei pelas causas sociais, muito antes mesmo de pensar em ser uma parlamentar, mas me eleger deputada federal foi um sonho que se realizou para poder colocar em prática muito mais pelo meu país”, escreveu, agradecendo aos eleitores pelo apoio. “Não matei e nem mandei matar o meu marido e lutarei até o fim para provar a minha inocência”, finalizou a mensagem. A juíza do 3º Tribunal do Júri de Niterói, Nearis dos Santos Carvalho Arce, decidiu que a deputada e mais nove acusados irão a júri popular. Após o depoimento desta quinta-feira, o relator do caso, deputado Alexandre Leite, apresentará seu parecer em até dez dias. O relatório pode absolver ou punir Flordelis, sendo que a punição pode levar até a suspensão ou cassação do mandato. Com imunidade parlamentar, a parlamentar responde em liberdade, mas usa tornozeleira eletrônica desde setembro.

*Com informações do repórter Fernando Martins

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *