Falha na diplomacia, depoimento de Pazuello e cloroquina: a terceira semana da CPI da Covid-19

Postado em 16 de maio de 2021

A terceira semana de trabalhos da CPI da Covid-19 será marcada por depoimentos de dois ex-ministros do governo do presidente Jair Bolsonaro que são considerados peças-chave para esclarecer a condução da União no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. O calendário de reuniões prevê as oitivas de Ernesto Araújo (ex-ministro das Relações Exteriores), Eduardo Pazuello (ex-ministro da Saúde) e Mayra Pinheiro (secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde). Os integrantes da comissão esperam obter detalhes da atuação diplomática do Brasil em busca de vacinas e esclarecer o que foi feito para mitigar os efeitos da crise do oxigênio em Manaus, capital do Estado do Amazonas, e a insistência da gestão federal no chamado “tratamento precoce”.

Como a Jovem Pan mostrou, Ernesto Araújo será fundamental para explicar a relação do Brasil com a comunidade internacional, em especial a China, principal fornecedora do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo necessário para a produção das vacinas desenvolvidas pelo Instituto Butantan e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além disso, o ex-chanceler deve ser questionado sobre a existência de um “gabinete paralelo” de assessoramento a Jair Bolsonaro, que incluía, segundo o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, o vereador Carlos Bolsonaro. Bolsonarista de primeira hora, Araújo integrava a ala ideológica do governo. “Testemunhei várias vezes reuniões de ministros em que o filho do presidente, que é vereador no Rio, estava sentado atrás tomando notas. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da Presidência”, relatou Mandetta. Nesta quinta-feira, 13, o ex-presidente da Pfizer no Brasil Carlos Murillo afirmou que o filho Zero Dois do presidente participou de uma reunião com os representantes da farmacêutica, no Palácio do Planalto, ao lado do assessor para assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins, e do ex-chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) Fabio Wajngarten.

Por outro lado, o depoimento de Eduardo Pazuello, o mais aguardado da comissão, ocorrerá de uma maneira diferente. Na noite desta sexta-feira, 14, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e concedeu a Pazuello o direito de permanecer em silêncio sempre que entender que as perguntas feitas a ele possam incriminá-lo. No recurso, a AGU argumentou que a oitiva poderia antecipar “um juízo de valor sobre a culpabilidade” do general nas ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus no período em que esteve à frente do Ministério da Saúde – dos quatro nomes que comandaram a pasta desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro, o oficial do Exército foi o mais longevo.

Lewandowski assentou, porém, que o ex-ministro da Saúde está obrigado a relatar fatos e detalhar condutas de terceiros. “No que concerne a indagações que não estejam diretamente relacionadas à sua pessoa, mas que envolvam fatos e condutas relativas a terceiros, não abrangidos pela proteção ora assentada, permanece a sua obrigação revelar, quanto a eles, tudo o que souber ou tiver ciência, podendo, no concernente a estes, ser instado a assumir o compromisso de dizer a verdade”, afirma o magistrado. Exatamente por isso, o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que a decisão “não atrapalha a investigação” da comissão. “A decisão do ministro Lewandowski não atrapalha a investigação. Ela garante ao depoente que não se autoincrimine. E não é isso que queremos com Pazuello. Interrogatório bom não busca confissões. Quer acusações sobre terceiros. Com relação a ele, outros falarão”, escreveu em seu perfil no Twitter.

Os senadores esperam poder esclarecer detalhes sobre a negociação para a aquisição de vacinas, além de cobrar explicações sobre a recomendação do uso de medicamentos ineficazes para o tratamento da Covid-19 e a atuação do Ministério da Saúde no colapso sanitário no Amazonas – no início do ano, pacientes infectados com a doença morreram asfixiados pela falta de oxigênio em hospitais e unidades de atendimento. No terceiro e último dia de depoimentos da próxima semana, os parlamentares ouvirão Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, conhecida como “Capitã Cloroquina”. Ela foi convocada pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Renan Calheiros, que querem explicação sobre a defesa do “kit Covid” durante a crise de oxigênio em Manaus.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 16 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 16 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Uma só Constituição

*Artigo publicado na Gazeta do Povo, dia 14 de junho de 2021. Paira no país certa insatisfação com o STF. O atual conceito do tribunal difere grandemente daquele citado por ex-ministros notáveis,...

Artigos Relacionados

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não comparecer à CPI da Covid-19. Em pedido apresentado nesta terça-feira, 15, a defesa do político pede que ele não seja obrigado prestar depoimento aos senadores,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *