Críticas à China, orientações da Saúde e cloroquina: o depoimento de Ernesto Araújo à CPI da Covid-19

Postado em 18 de maio de 2021

Por aproximadamente sete horas, a CPI da Covid-19 ouviu, nesta terça-feira, 18, o depoimento do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. Aos senadores, o ex-chefe do Itamaraty falou sobre críticas à China, da atuação da pasta no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus e da insistência do governo federal em defender a cloroquina, remédio ineficaz no tratamento da doença. A oitiva também foi marcada por críticas ferrenhas da senadora Kátia Abreu (PP-TO) à gestão de Araújo à frente da diplomacia brasileira – um dia antes de entregar sua carta de demissão, o então chanceler insinuou que a parlamentar teria feito lobby em favor da empresa chinesa Huawei no leilão da tecnologia do 5G.

Questionado pelos senadores sobre declarações feitas contra a China, Ernesto Araújo afirmou que sua atuação à frente do Ministério das Relações Exteriores não “criou percalços” no combate à pandemia. “Jamais promovi nenhum atrito com a China”, disse. Na sequência, ele foi repreendido pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), que citou um texto, publicado por Araújo em seu blog pessoal, intitulado “Chegou o comunavírus”, em alusão ao país asiático. “Quero alertá-lo que o senhor está sob juramento. Vossa Excelência deu várias declarações anti-China, se indispôs com o embaixador chinês. O senhor escreve um artigo e diz ‘comunavírus’. Há pouco, disse que não houve nenhuma declaração. Posso ler o seu artigo. O senhor faz uma alusão, erroneamente, de que a pandemia era para ressuscitar o comunismo. Na minha análise pessoal, Vossa Excelência está faltando com a verdade. Peço que não faça isso, porque isso está escrito no seu Twitter. Se isso não é se indispor com um país com quem temos relação comercial muito importante, então não entendo como se faz relações internacionais. Chegar aqui e desmerecer o que já praticou, dizer que nunca se indispôs com a China, Vossa Excelência está faltando com a verdade. Se quiser, leio alguns trechos do que escreveu. Vossa excelência até bateu boca com o embaixador chinês. Nega aquilo que escreveu, aí não dá”, afirmou Aziz.

O ex-ministro também afirmou, reiteradamente, que o Ministério das Relações Exteriores seguiu orientações feitas pelo Ministério da Saúde, à época comandado pelo general Eduardo Pazuello. De acordo com Ernesto Araújo, o Brasil buscou cloroquina no mercado internacional a pedido do oficial do Exército e do presidente Jair Bolsonaro. Em outro momento, o ex-chanceler disse que a opção do governo federal pela adesão mínima ao consórcio Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS), foi uma decisão da Saúde. “Nunca fui contrário à adesão. Essa decisão não foi minha, foi decisão do Ministério da Saúde, dentro de sua estratégia de vacinação. Não conheço os fundamentos técnicos”, afirmou ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid-19. O Palácio do Planalto tinha a opção de solicitar doses suficientes para vacinar de 10% a 50% da população, mas preferiu a menor cota.

‘Bússola que nos direcionou para o caos’ 

O depoimento de Ernesto Araújo foi marcado por críticas feitas pela senadora Kátia Abreu (PP-TO) à gestão do ex-ministro. Apesar de não ser membra da CPI, a parlamentar foi a representante da bancada feminina responsável por fazer questionamentos ao depoente. Em seu tempo de fala, Abreu disse que o diplomata é “um negacionista compulsivo, omisso” e foi “a bússola que nos direcionou para o caos, para um iceberg e para o naufrágio da política externa brasileira”. “O senhor apoiou o ataque ao diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. Agora, estamos nas mãos dessa criatura, que aglutina um consórcio para vacinar países pobres e em desenvolvimento. A China foi atacada, Tedros Adhanom foi atacado, o governo Biden [presidente dos Estados Unidos], também. Hoje estamos nas mãos dessas pessoas que o senhor ajudou a atacar com tanta força. O senhor deve desculpas ao país. É um negacionista compulsivo, omisso. Foi uma bússuola que nos direcionou para o caos, para um iceberg, para um naufrágio da política externa brasileira. Isso é voz unânime de seus colegas. O senhor não só colocou o Brasil como pária, foi muito pior: o senhor colocou o Brasil na posição de irrelevância. E eu não aceito que isso aconteça. O maior vexame que já passamos na vida foi a cúpula dos líderes para o Clima, de 22 de abril. O presidente Joe Biden levanta-se da cadeira e deixa o presidente brasileiro falando sozinho. Ele deixa claro: não tenho nada para ouvir do Brasil”, afirmou a senadora.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 18 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 18 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *