Por que as declarações de Ernesto Araújo prejudicam o silêncio de Pazuello na CPI da Covid-19

Postado em 18 de maio de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo afirmou, reiteradamente, que a atuação de sua pasta no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus foi embasada em diretrizes definidas pelo Ministério da Saúde. Aos senadores, o ex-chefe do Itamaraty disse, por exemplo, que o Brasil buscou cloroquina no mercado internacional por recomendação do ministério comandado, à época, por Eduardo Pazuello. Em razão disso, a cúpula da comissão avalia que o general do Exército fica em “situação muito difícil” na véspera de sua oitiva, marcada para esta quarta-feira, 19.

Na sexta-feira, 14, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu ao ex-ministro da Saúde o direito de permanecer em silêncio na CPI sempre que julgar que a pergunta pode incriminá-lo – Pazuello é investigado na primeira instância por suposta omissão no episódio da falta de oxigênio em Manaus. Porém, em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira, após o depoimento de Ernesto Araújo, o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), pediram que o ex-ministro das Relações Exteriores colabore com as investigações.

“O depoimento [de Ernesto Araújo] deixa claro que quem aderiu ao consórcio Covax Facility com 10% e não com 50% da quantidade de doses foi o Ministério da Saúde. Ele deixa Pazuello numa situação muito difícil para amanhã. Está me parecendo haver um movimento de abandono do ex-ministro da Saúde. Ele deveria colaborar com a CPI, senão, todos os elementos vão levar a apontá-lo como responsável pela morte de centenas de milhares de brasileiros”, afirmou Randolfe. “Ernesto nos disse que as tratativas foram consequências de indicações do Ministério da Saúde, com exceção da cloroquina e da viagem à Israel, que foram pedidos do presidente Jair Bolsonaro. De modo que, com isso, com esse esforço, ele transfere o ônus dos equívocos para o Ministério da Saúde e para quem o ocupou, no caso, o ex-ministro Pazuello”, acrescentou o emedebista.

Randolfe Rodrigues também afirmou que o governo Bolsonaro está cometendo um “ato de covardia” contra Pazuello. “O que o governo está fazendo com Pazuello é um ato de covardia. Ele está sendo abandonado e entregue aos leões, é o bode expiatório. O que vamos perguntar a ele amanhã? O senhor foi o único responsável? Ninguém compartilha essa responsabilidade? O silencio total depõe contra ele. A essa altura, após o depoimento de Ernesto, [o habeas corpus] é instrumento contra ele. Se estiver nos assistindo, rogo a ele: tente se salvar”, disse o vice-presidente da CPI.

Apesar do habeas corpus, a defesa do ex-ministro da Saúde tem afirmado que o general irá responder a todas as perguntas na sessão desta quarta-feira, 19. Em nota enviada à Jovem Pan, o advogado Zoser Hardman afirma que Pazuello “está pronto” para enfrentar “provocações” em seu depoimento. “O ex-ministro Pazuello está pronto para responder toda e qualquer pergunta aos senadores durante seu depoimento à CPI. Aliás, está mais do pronto desde terça-feira retrasada. Por experiência profissional em circunstâncias análogas, tenho a convicção de que o dia que antecede a data do depoimento deve ser destinado ao descanso da mente e do corpo. Serão horas de depoimento. A estratégia mais utilizada por interrogadores em casos semelhantes é tentar cansar o depoente para que a mente falhe e o depoente se confunda, cometa erros. Ciente disso, o descanso da mente é sempre o melhor antídoto. Na CPI, Pazuello estará muito bem representado pela AGU, especialmente pelo Dr Diogo Palau, advogado da união designado para fazer a defesa e acompanhar o ex-ministro durante seu depoimento. Não poderia estar em melhores mãos. Aquele que espera que o ex-ministro Pazuello entre em alguma provocação ou não aguente a maratona se surpreenderá.”

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 18 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *