‘Capitã cloroquina’ pede que STF reconsidere decisão que a negou silêncio em depoimento à CPI da Covid-19

Postado em 21 de maio de 2021

A defesa da secretária da Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”, pediu ao ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que reconsidere a decisão que negou a ela o direito de permanecer em silêncio em seu depoimento à CPI da Covid-19. A oitiva da servidora está marcada para a terça-feira, 25. Na terça-feira, 18, o magistrado indeferiu o pedido de habeas corpus impetrados pelos advogados por entender que não havia elementos que justificassem a concessão do salvo-conduto. “O fato de a paciente não responder a qualquer procedimento criminal, ou mesmo administrativo, quanto aos assuntos investigados pela CPI, retira qualquer credibilidade ao receio por ela manifestado de que possa sofrer consequências adversas ao responder a determinadas perguntas dos parlamentares”, escreveu o ministro.

No pedido desta sexta-feira, 21, porém, Mayra Pinheiro alega que é alvo de um inquérito que também envolve o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e apura a suposta omissão na crise do oxigênio que atingiu Manaus, capital do Estado do Amazonas, no início do ano. “Ao indeferir a liminar postulada, a decisão assentou não haver similitude com a situação do ex-ministro Eduardo Pazuello prolatada nos autos do HC 201.912/DF. Ocorre, na verdade, que a impetrante figura como promovida na mesma ação de improbidade na qual o citado ex-ministro integra o polo passivo. Ocorre que o processo corre em segredo de justiça e requerente, até a presente data, não foi sequer notificada. A inicial comprova o litisconsórcio passivo na citada ação. A situação, como se vê, da paciente/impetrante é a mesma do ex Ministro que, embora com todas as garantias asseguradas na liminar de V. Exa., no referido HC, foi chamado de mentiroso e desacatado por diversos integrantes da referida Comissão parlamentar durante o seu depoimento”, diz um trecho do documento.

O agravo regimental apresentado pela defesa de Mayra Pinheiro cita a decisão de Lewandowski que atendeu a um pedido da Advocacia-Geral da União e garantiu ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello o direito de permanecer em silêncio sempre que entendesse que a pergunta pudesse incriminá-lo – apesar do habeas corpus, o general do Exército respondeu a todos os questionamentos feitos pelos senadores nas duas sessões em que prestou depoimento.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 21 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigo: A PEC dos Precatórios

Um dos temas de maior repercussão recente na mídia é a Proposta de Emenda Constitucional nº 23/2021, que propõe alterações no regime constitucional de pagamento de precatórios. Confira aqui o artigo...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *