CPI da Covid-19 vota convocação de governadores e prefeitos nesta quarta-feira

Postado em 26 de maio de 2021

A CPI da Covid-19 no Senado Federal deve aprovar hoje requerimentos de convocação de pelo menos dez governadores e doze prefeitos. Gestores e ex-gestores dos estados do Amazonas, Amapá, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins, além do Distrito Federal, devem ter que comparecer. As oitivas devem acontecer a partir do dia 17 de junho. De acordo com o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD), o cronograma está sendo cumprido. “Não estamos fugindo da CPI, nós estamos fazendo aqui um requerimento que a CPI manda fazer. O requerimento do senador Randolfe, que fala de omissão do governo federal no Estado do Amazonas por falta do oxigênio. E tem um requerimento assinado por 45 senador do Eduardo Girão, que pede que a gente investigue recursos do governo federal destinados ao Estado. Isso será feito.”

Outro que deve ser convocado a depor é o ex-assessor da Presidência da República Arthur Weintraub. Vídeos o apontam como suspeito de ter articulado o suposto gabinete paralelo ao Ministério da Saúde que aconselhava o presidente Jair Bolsonaro. Já o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o atual, Marcelo Queiroga, devem ser reconvocados. Omar Aziz indica que dessa vez, Pazuello pode não receber a mesma tolerância por parte dos senadores. “As mentiras estão aparecendo, não sou eu que estou dizendo. São contradições. Agora, se o ministro vier para cá sem nenhum habeas corpus que o protege, não tenha dúvidas de que não será da mesma forma. Não vamos ser desmoralizados.” No depoimento desta terça-feira, a Secretária de Gestão do Trabalho e Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, voltou a defender tratamento precoce e falou em “livre arbítrio” dos médicos.

Conhecida nas redes sociais como “capitã cloroquina“, ela reiterou que a pasta orienta, mas não recomenda o uso do medicamento. Também afirma que governos têm autonomia e não são obrigados a seguir preceitos da OMS.  Questionada sobre o tratamento precoce, Mayra Pinheiro ressaltou que a relação médico-paciente dita as regras. Um dos pontos mais polêmicos do depoimento foi quando os parlamentares a questionaram sobre o aplicativo TrateCov. Na semana passada, Eduardo Pazuello explicou à CPI que a ferramenta não chegou a ser lançada porque sofreu ação de hackers. Mayra Pinheiro negou o ataque hacker e argumentou que um jornalista fez extrações indevidas do material. Um documento feito pelo senador Renan Calheiros aponta onze mentiras ou contradições que teriam sido ditas por Mayra Pinheiro. A lista, feita por assessores do relator, aponta incorreções em temas como tratamento precoce, medicamentos, cloroquina, aplicativo TrateCov, OMS, população pediátrica, isolamento social e crise em Manaus.

*Com informações do repórter Levy Guimarães 

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 26 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *