Moraes nega pedido da PGR para deixar relatoria de inquérito contra Ricardo Salles

Postado em 26 de maio de 2021

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido apresentado nesta terça-feira, 25, pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para deixar a relatoria dos autos da Operação Akuanduba, que investiga a exportação ilegal de madeira para os Estados Unidos e Europa e mirou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Em sua decisão, o magistrado afirmou que a petição apresentada pela PGR e assinada pelo vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros é “sui generis”, ou seja, peculiar.

Na petição, a PGR afirma que o caso deveria ser entregue à ministra Cármen Lúcia, relatora da notícia-crime apresentada pelo ex-superintendente da Polícia Federal (PF) no Amazonas, o delegado Alexandre Saraiva, por supostamente interferir na apuração da operação que resultou na maior apreensão de madeira do Brasil – mais de 200 mil metros cúbicos, o suficiente para encher mais de 6.300 caminhões. Moraes afirmou que as investigações são distintas, destacou que o caso estava sob sua relatoria desde agosto do ano passado, quando a PGR pediu o arquivamento da apuração, e que, em razão disso, “não há qualquer dúvida” de que ele é competente para relatar os autos da Akuanduba.

“Não há, portanto, qualquer dúvida sobre a competência desse relator para prosseguir na relatoria da PET 8.975, cuja distribuição foi anterior àquelas citadas pela Procuradoria Geral da República em sua manifestação e cujo objeto é exatamente o mesmo. Diante do exposto, indefiro os pedidos da Procuradoria-Geral da República”, escreveu o ministro. Como a Jovem Pan mostrou, em documento enviado ao STF, a Polícia Federal afirmou que vê “fortes indícios” de que Salles esteja envolvido em um “grave esquema de facilitação ao contrabando de produtos florestais”. A PF também diz ter indícios suficientes para concluir que o presidente afastado do Ibama, Eduardo Bim, cometeu o crime de facilitação de contrabando e de advocacia administrativa, quando há favorecimento de interesses particulares dentro do governo.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 26 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 26 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *